Fabricante do Botox pagará US$ 600 milhões por mau uso do produto

Empresa foi acusada de usar o tratamento em procedimentos não autorizados

AFP |

Allergan, o fabricante americano do Botox, disse nesta quarta-feira, dia 1, que concorda em pagar 600 milhões de dólares para solucionar procedimentos nos EUA, onde a justiça o acusa de promover o uso de seu célebre tratamento contra rugas para outros casos não autorizados.

As acusações, relacionadas ao período 2000/2005, dizem que a promoção do produto desviou seu uso para o tratamento de cefaleias, espasmos e paralisação cerebral, diz um comunicado.

Allergan foi considerado culpado, devendo pagar 375 milhões de dólares ao governo e outros 225 milhões de dólares relativos a demandas civis.

"Trata-se do melhor acordo para nossos acionistas já que resolve todas as questões da investigação, evita maiores custos derivados de litígios, e riscos substanciais para a empresa associados à ação do governo na matéria; além disso, permite que concentremos nosso tempo e recursos de forma produtiva para o desenvolvimento de novos tratamentos para os pacientes e a comunidade médica", disse Douglas Ingram, vice-presidente executivo do Allegran.

O Botox contém a toxina do botulismo. Quando injetado em pequenas doses, a substância paralisa o músculo e evita sua contração, o que elimina as rugas faciais. Também é utilizado para outros usos terapêuticos.

Há 20 anos foi aprovado também pela primeira vez nos EUA para o tratamento dos trastornos do músculo ocular.

    Leia tudo sobre: botoxindenização

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG