FAB e Marinha corrigem para 16 total de corpos resgatados

Rio de Janeiro, 8 jun (EFE).- A Força Aérea e a Marinha do Brasil esclareceram hoje que até agora foram resgatados 16 corpos das vítimas do acidente da Air France, e não 17 como havia sido informado anteriormente.

EFE |

"A fragata Ventose, da Marinha francesa, recolheu sete e não oito corpos como foi informado inicialmente à coordenação das buscas", assinalou um comunicado divulgado pela Marinha e a Força Aérea Brasileira (FAB).

Porta-vozes da FAB disseram hoje em coletiva de imprensa em Recife que, para evitar informações equivocadas, a atualização do número de corpos resgatados só será divulgada quando os restos mortais já estiverem em navios brasileiros.

A nota acrescenta que a fragata brasileira Constituição já está a caminho do arquipélago de Fernando de Noronha, aonde deve chegar na terça-feira com os 16 corpos.

Em Fernando de Noronha, as autoridades brasileiras farão uma catalogação dos corpos e depois os enviarão por avião até Recife, cidade em que foi estabelecido o comando de busca e onde trabalharão os legistas.

Segundo o comunicado, com condições meteorológicas melhores e que não afetem a busca, as ações de resgate continuarão sem interrupções e concentradas nos pontos em que já foram localizados corpos dos ocupantes do Airbus.

A busca está sendo feita por 14 aviões, 12 dos quais são da FAB e os outros dois da França, assim como de cinco navios da Marinha do Brasil e uma fragata francesa.

Os oficiais responsáveis pela busca divulgaram hoje em Recife fotografias dos trabalhos de resgate, entre elas uma em que é possível ver uma grande peça metálica com as cores que identificam a companhia aérea francesa.

Os responsáveis pelas buscas se negaram a falar do estado dos corpos encontrados após uma semana no mar e assinalaram que também não darão mais informações sobre o sexo das vítimas.

No Rio de Janeiro, a Polícia Federal prosseguiu hoje com os trabalhos de coleta de mostras de saliva e de cabelos dos familiares das vítimas para fazer exames de comparação genética que possam ajudar na identificação dos corpos. EFE cm/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG