Ex-vice Dick Cheney aconselhou Bush a bombardear reator sírio

Em biografia ainda, ex-vice-presidente americano fez críticas a Condoleezza Rice e Colin Powell e defendeu técnicas de interrogatório, como o waterboarding

iG São Paulo |

O ex-vice-presidente dos Estados Unidos Dick Cheney aconselhou o ex-presidente George W. Bush (2001-2009) a bombardear um reator nuclear "suspeito" na Síria em junho de 2007, segundo revela em sua biografia, que será lançada na próxima terça-feira.

AP
Biografia de Cheney será lançada na próxima terça-feira (foto de arquivo)
“Eu defendi a opção militar dos Estados Unidos contra o reator", escreveu Cheney sobre uma reunião com Bush e seus conselheiros sobre o tema, de acordo com o jornal americano The New York Times, que obteve uma cópia do livro antes de sua publicação. "Mas minha voz ficou isolada. Após minha intervenção, o presidente perguntou: 'Alguém aqui está de acordo com o vice-presidente?'. Nenhuma mão se levantou", lembrou Cheney.

Em seu livro, intitulado "In My Time: A Personal and Political Memoir" (“No Meu Tempo: Memórias Pessoais e Políticas”), o ex-vice-presidente ressaltou que os conselheiros do presidente Bush mostraram-se muito reticentes sobre uma intervenção na Síria, ainda afetados pelas poucas "informações de inteligência que havíamos recebido sobre o armazenamento de armas de destruição em massa no Iraque".

Mais tarde, Israel se encarregou de bombardear o misterioso local sírio, em setembro de 2007.

O ex-vice-presidente, um dos homens mais poderosos durante o governo Bush, ressaltou ainda ter insistido sobre a importância estratégica do reator, mas acabou sendo a "única voz" com essa posição na sala onde o tema foi debatido.

Em entrevista concedida à rede de televisão NBC, Cheney assegurou que seu livro, no qual não mostra arrependimento sobre muitas decisões polêmicas durante o governo Bush, causará polêmica. “Explodirão cérebros por toda Washington", previu.

Colin Powell

No livro ainda, Cheney também criticou a figura do ex-secretário de Estado, Colin Powell, a quem acusa de debilitar o ex-presidente Bush ao demonstrar dúvidas sobre a Guerra do Iraque, e disse ter proposto que fosse destituído de seu cargo após as eleições de 2004.

O ex-vice-presidente americano também se mostrou contrário à sucessora de Powell, a ex-secretária de Estado Condoleezza Rice, por sua "ingenuidade" ao tentar fechar um acordo com a Coreia do Norte sobre o programa nuclear.

Outro assunto abordado no livro é quanto aos métodos empregados nos interrogatórios na guerra ao terror, como o uso de técnicas de interrogatório, como o “waterboarding”, técnica de simulação de afogamento. Cheney defendeu tais práticas e rejeitou qualificá-las como “tortura”, uma vez que funcionavam para extrair informações que teriam salvo vidas.

*Com EFE

    Leia tudo sobre: cheneybusheuaguerra ao terrorsíria

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG