Dublin, 25 mar (EFE).- O norte-irlandês Brendan McConville, de 37 anos e ex-vereador do Sinn Féin - braço político do Exército Republicano Irlandês (IRA) -, compareceu hoje perante um tribunal da província acusado do assassinato do policial Stephen Carroll em um atentado, informaram fontes judiciais.

O suspeito é acusado de posse de um fuzil AK-47 carregado com 26 balas, mas, durante a audiência, seu advogado negou que seja o autor dos disparos que mataram o agente no dia 9 de março, em um atentado cometido na localidade de Craigavon, no condado de Armagh.

Um adolescente de 17 anos detido um dia depois do episódio junto a McConville também é acusado pelo crime, uma ação atribuída ao IRA de Continuidade, uma dissidência do IRA que se opõe ao processo de paz.

McConville se apresentou hoje nas dependências judiciais de Lisburn, aos arredores de Belfast, cercado por rígidas medidas de segurança, que incluíam o desdobramento de postos de controle e de forças especiais antidistúrbios.

O advogado de defesa, Kevin Winters, reiterou a inocência do cliente, mas não pediu que fosse libertado após pagar uma fiança.

Desta forma, ele permanecerá sob custódia policial até que volte a comparecer perante este tribunal, em 3 de abril. EFE ja/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.