Exumados na Argentina restos de bispo que teria sido vítima da ditadura

Os restos de monsenhor Enrique Angelelli, morto em 1976, foram exumados a pedido da justiça argentina para saber se se tratou de um crime causado pela ditadura (1976/83) ou se a morte foi causada por um acidente de trânsito, como disseram as autoridades militares naquele momento, informou nesta quarta-feira um funcionário do governo.

AFP |

O procedimento teve lugar na cripta da catedral de La Rioja, capital da província de mesmo nome (noroeste), por ordem do juiz federal Daniel Herrera Piedrabuena.

Os restos do bispo foram trasladados ao Necrotério Judicial de La Rioja para a necropsia a cargo de peritos forenses e outro especialista contratado pelo arcebispado.

Os resultados da necropsia sairão em uma ou duas semanas, disse o promotor Darío Illanes, que solicitou o estudo para determinar o tipo de lesões recebidas e as verdadeiras causas da morte suspeita do prelado.

Angelelli, figura emblemática da luta social na década de '70 comprometida com a 'opção pelos pobres', morreu aos 53 anos, em agosto de 1976, num acidente, depois de perder o controle do veículo que conduzia em La Rioja, segundo a versão das autoridades militares.

Mas ao reabrir-se o processo, depois da recuperação da democracia em 1983, a justiça estabeleceu em 1986 que a morte havia sido um "homicídio friamente premeditado, devendo-se identificar os autores".

Ficou provado que o veículo em que estava o bispo bateu contra um outro que o fez capotar, depois do que o corpulento Angelelli foi retirado, recebendo um golpe na nuca; seu corpo foi arrastado até o meio da estrada, onde ficou estirado em forma de cruz.

Naquele dia, Angelelli havia participado de uma homenagem aos sacerdotes Gabriel Longueville, de origem francesa, e Carlos Murias, sequestrados, torturados e assassinados duas semanas antes numa cidade vizinha.

O ex-capitão do Exército Alfredo Marcó - acusado de crimes contra os direitos humanos em La Rioja e de quem se suspeitava que conhecia os autores presumíveis da morte de Angelelli - suicidou-se na segunda-feira passada.

ls/jos/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG