Geir Lippestad diz, porém, que ainda é cedo para saber se Anders Behring Breivik alegará isso para se defender

Geir Lippestad, advogado de Anders Behring Breivik, autor confesso do duplo atentado da Noruega
AP
Geir Lippestad, advogado de Anders Behring Breivik, autor confesso do duplo atentado da Noruega
O extremista norueguês Anders Behring Breivik , de 32 anos, é provavelmente insano, disse nesta terça-feira seu advogado, Geir Lippestad . "Todo esse caso indica que ele é insano", afirmou, acrescentando que uma avaliação médica deve ser realizada para estabelecer suas condições psiquiátricas. Lippestad disse que deixará o caso se o acusação não aceitar ser examinado.

Apesar disso, Lippestad afirmou que ainda é cedo para saber se seu cliente, que disse ter consumido "algumas drogas" para estar "forte, eficiente e alerta" no dia dos ataques, entrará com uma alegação de insanidade mental na justiça para se defender. Segundo o advogado, o acusado poderia se opor à ideia por acreditar ser o único "que compreende a verdade".

Em coletiva, Lippestad relatou que o extremista ficou "um pouco surpreso" por ter conseguido lançar o ataque com um carro-bomba em Oslo e depois o massacre na Ilha de Utoya sem ter sido parado antes.

Por uma série de falhas da polícia norueguesa , Breivik conseguiu disparar por 90 minutos contra jovens que estavam no acampamento da ala juvenil do governista Partido Trabalhista na ilha, deixando 68 mortos . O ataque em Oslo matou oito. Nesta terça-feira, o ministro norueguês da Justiça caracterizou como "fantástica" a reação da polícia aos atentados.

Segundo Lippestad, a primeira audiência do acusado foi fechada na segunda-feira pela preocupação de que o radical da extrema direita pudesse enviar mensagens a outras células militantes. Após a audiência de 35 minutos, o juiz Kim Heger afirmou que a polícia estava investigando a alegação de Breivik de que haveria mais duas células militantes em sua rede terrorista.

De acordo com Lippestad, Breivik não demonstra qualquer sinal de empatia por suas vítimas e diz que detesta aqueles que acreditam em democracia e defendem o multiculturalismo. Também segundo o advogado, o acusado acredita que está em "estado de guerra" e disse "fazer parte de uma rede anti-islâmica que tem duas células na Noruega e algumas outras no exterior" para levar essa guerra adiante. "Ele acredita que a guerra dele continuará por 60 anos, e em 60 anos será vencida."

Membro do governista Partido Trabalhista, Lippestad tornou-se mais conhecido por defender um radical de direita que foi condenado e sentenciado a 17 anos em 2002 pelo assassinato de Benjamin Hermansen, um jovem de 15 anos cujo pai era africano.

Depoimento de segunda-feira

Em coletiva posterior à audiência de segunda-feira, autoridades policiais disseram que Breivik pareceu se contradizer com a sugestão das outras células, já que em depoimento após ser preso afirmou que havia atuado sozinho no duplo atentado . A polícia, porém, rejeitou divulgar informações sobre a investigação sobre as outras supostas células. 

De acordo com as autoridades policiais, a audiência foi fechada pela "preocupação de revelar muita informação" sobre o caso. "Uma das razões é que pensamos que outras pessoas podem estar implicadas ", disseram.

Apesar de ter admitido a autoria do atentado duplo, que deixou ao menos 76 mortos ( segundo uma revisão dos números pela polícia), Breivik declarou-se inocente das acusações de terrorismo que enfrenta, alegando ter agido para salvar a Europa do que chama de colonização muçulmana. De acordo com o promotor Christian Hatlo, o radical disse que esperava passar o resto de sua vida na prisão.

Na audiência, o extremista norueguês também declarou que seu principal objetivo era prejudicar o Partido Trabalhista, que acusou de encorajar a imigração. Segundo o juiz, Breivik disse que a legenda governista é culpada da "importação em massa" de muçulmanos. "O Partido Trabalhista tinha de pagar um preço por sua traição; muçulmanos estavam aqui para colonizar o país", disse Breivik, citado pelo magistrado. 

"A operação não tinha o objetivo de causar o maior número de mortes possível, mas emitir um forte sinal que não pudesse ser confundido de que, enquanto o Partido Trabalhista continuar levando adiante suas mentiras ideológicas e desconstruindo a cultura norueguesa e importando muçulmanos em massa, terá de assumir a responsabilidade por sua traição", disse o radical cristão, segundo o juiz.

Norueguês Anders Behring Breivik, homem acusado pelo massacre na Noruega, é visto dentro de veículo ao deixar corte onde teve sua primeira audiência em Oslo (25/07)
Reuters
Norueguês Anders Behring Breivik, homem acusado pelo massacre na Noruega, é visto dentro de veículo ao deixar corte onde teve sua primeira audiência em Oslo (25/07)

O juiz indiciou o acusado por atos de terrorismo, anunciando que o extremista ficará sob custódia por oito semanas, das quais quatro em total isolamento. Assim, o autor presumível dos atentados ficará em completo isolamento até 22 de agosto, o que representa não poder receber cartas, visitas ou usar a mídia.

Segundo o juiz, a data da principal audiência sobre o caso será definida depois que a polícia concluir a investigação. De acordo com a lei norueguesa, Breivik pode ser sentenciado a um máximo de 21 anos de prisão. A sentença pode ser estendida se o prisioneiro for considerado uma ameaça à segurança pública.

Nesta terça-feira, o jornal Aftenposten afirmou que a polícia norueguesa está analisando a possibilidade de acusar Breivik também de crimes contra a humanidade . A nova acusação - que incluiria perseguição de um grupo com base em conceitos políticos - poderia levar a uma sentença de 30 anos de prisão.

Ao canal de TV norueguês TV 2, o pai de Breivik disse que seu filho deveria ter se matado em vez matar tantas pessoas . "Ele deveria ter se suicidado antes de matar tanta gente", afirmou Jen Breivik, de Cournanel, no sul da França, onde vive desde que se aposentou.

Com AP, BBC, AFP, EFE e Reuters

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.