Extrema direita deixa Netanyahu mais perto de governar Israel

JERUSALÉM - As chances de o líder oposicionista Benjamin Netanyahu tornar-se primeiro-ministro de Israel aumentaram significativamente na quinta-feira depois que ele ganhou o apoio de um importante político da extrema direita.

Reuters |

Avigdor Lieberman, líder do partido Yisrael Beiteinu, declarou ao presidente Shimon Peres que tentará formar um governo com Netanyahu, desde que o chefe do partido direitista Likud esteja buscando uma ampla coalizão.

AFP

Líder da oposição mais perto de ser premiê de Israel

Netanyahu e a líder do partido de centro Kadima, Tzipi Livni, ministra do Exterior de Israel, disputam o direito de ser primeiro-ministro após as eleições de 10 de fevereiro. O Kadima ganhou 28 assentos de um total de 120 no parlamento, enquanto o Likud ficou em segundo lugar, com 27 cadeiras.

"Nós recomendamos Benjamin Netanyahu, apenas na estrutura de uma ampla coalizão", disse Lieberman no começo de seu encontro com Peres.

"Nós queremos um governo dos três maiores partidos, Likud, Kadima e Yisrael Beiteinu", disse Lieberman.

Yisrael Beitenu ficou em terceiro lugar nas eleições nacionais, com 15 cadeiras no parlamento, e seu apoio é fundamental na formação de um governo majoritário.

Peres encerrará a consulta a líderes partidários nesta quinta-feira, para com isso tomar uma rápida decisão sobre quem tentará estabelecer uma coalizão de governo.

AP

Tzipi Livni ainda luta por indicação

"O presidente quer acelerar o processo e finalizá-lo hoje", disse uma porta-voz. Ela não falou quando a decisão seria anunciada.

Peres encontrou membros do Kadima na quarta-feira. Ele planeja consultar na quinta-feira representantes de outros dez partidos com cadeiras no parlamento.

Sob a lei israelense, cabe a Peres apontar o legislador que tentará formar o governo. Este legislador terá 42 dias para completar a tarefa.

Apesar de o Kadima ter conquistado mais assentos, Netanyahu parece ter mais apoio por parte de um grande bloco alinhado à direita para formar uma coalizão.

Em um golpe para Livni, o ministro da Defesa, Ehud Barak, cujo Partido Trabalhista, de esquerda, ficou em quarto lugar nas eleições, declarou na quinta-feira que não recomendaria um candidato para formar um governo.

"O cenário está claro, e nós vamos para a oposição. Nessa realidade, em minha opinião, há apenas uma possibilidade: não recomendar nenhum dos candidatos para primeiro-ministro", disse Barak em um encontro partidário.

Peres tem até 25 de fevereiro para fazer sua escolha.

Leia mais sobre: Israel

    Leia tudo sobre: israel

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG