Ex-reverendo de Obama acusa sionistas de o afastarem do presidente

Washington, 11 jun (EFE).- Jeremiah Wright, o ex-reverendo do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, disse hoje que os sionistas o mantêm afastado do chefe de Estado, em referência ao setor mais nacionalista do povo judeu.

EFE |

Na terça-feira, Wright tinha dito em entrevista ao jornal "Daily Press" que os judeus que cercam Obama não lhe permitem que fale com o presidente.

"Disse para minha filha mais nova que falará comigo em cinco anos (se já tiver um sucessor) ou em oito anos, se já não estiver no poder", disse o ex-assessor espiritual de Obama na terça-feira.

Durante anos Obama foi membro da congregação de Wright, que batizou suas duas filhas, mas rompeu as relações com ele e com sua igreja depois que vieram a público vídeos com sermões inflamados do pastor.

O reverendo parece decidido a seguir causando polêmica, mas tentou suavizar hoje as palavras que proferiu na terça-feira.

"Não estou falando de todos os judeus, de todo o povo da fé judaica. Estou falando dos sionistas", afirmou hoje Wright em entrevista à emissora de rádio por satélite "Sirius".

Na entrevista, o ex-reverendo de Obama ressaltou também que diferentes historiadores e teólogos judeus escreveram sobre a influência que a Comissão de Assuntos Públicos Americano-Israelense (Aipac, em inglês) tem sobre o Governo dos EUA e a política das Nações Unidas.

Ele insistiu em que são grupos como esses os que não querem que Obama fale sobre o que descreveu como "extermínio étnico" em Gaza, porque isso seria anti-israelense. EFE tb/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG