Ex-prisioneiro libanês Samir Kantar diz que não se arrepende de nada que fez

Samir Kantar, um dos cinco prisioneiros libaneses libertados na véspera por Israel, afirmou nesta quinta-feira que não se arrepende de ter realizado a operação que, em 1979, matou três pessoas, entre elas uma menina de 4 anos, em Nahariya (norte de Israel).

Redação com agências internacionais |

"Nunca me arrependi nem um só dia do que fiz", respondeu Kantar, 46 anos, ao ser indagado pela AFP se lamentava ter dirigido a operação que o fez passar quase 30 anos nas prisões israelenses.

"Sigo minha linha política", afirmou, à margem da cerimônia organizada para celebrar sua volta à localidade drusa de Aabey, sudeste de Beirute.

AFP
Prisioneiros do Hezbollah; Samir é o terceiro 
"Estou muito contente porque volto às fileiras da resistência e a minha família", afirmou ainda.

Kantar foi condenado em 1980 a cinco penas de prisão perpétua e a 47 anos adicionais.

Em 1979, Kantar matou um policial no norte de Israel, seqüestrou um civil israelense que em seguida assassinou também, e por fim matou a filha deste, de três anos.

O porta-voz do governo israelense, Mark Regev, o classificou de "assassino cruel de crianças", acrescentando: "Quem quer que o celebre como herói, desrespeita os princípios elementares da decência humana".

Enterro de soldado

Israel fez os funerais dos dois soldados mortos entregues pelo Hezbollah em uma troca de prisioneiros com o grupo. O luto israelense contrastava com o clima de comemoração no Líbano.

Milhares de pessoas compareceram ao funeral de Ehud Goldwasser, cuja captura há dois anos junto com Eldad Regev provocou uma guerra de 34 dias na qual 1.200 libaneses e 159 israelenses morreram.

AP
Milhares de pessoas compareceram ao enterro de Ehud Goldwasser

O funeral foi feito na cidade de Nahariya, no norte do país, e foi transmitido ao vivo pela televisão. Regev será enterrado ainda na quinta-feira.

O ministro da Defesa israelense, Ehud Barack, disse que Israel está 'de coração partido' e 'pagou uma preço muito alto' ao libertar cinco guerrilheiros envolvidos no ataque a Israel em troca dos corpos dos soldados, devolvidos em caixões pretos.

Ele prometeu que Israel 'fará todos os esforços' para reaver outros soldados capturados, incluindo Gilat Shalit, seqüestrado por militantes na Faixa de Gaza em 2006, em um combate na fronteira.

Já o primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, condenou na quarta-feira as honras recebidas por Samir Qantar em Beirute.

Qantar é acusado por Israel de ser o responsável por um ataque que matou quatro pessoas.

(*Com informações da AFP e Reuters


    Leia tudo sobre: hezbollahisrael

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG