Ex-presidente iraniano defende reputação de clérigo opositor

Teerã, 5 jan (EFE).- O ex-presidente iraniano Ali Akbar Hashemi Rafsanjani defendeu Yousef Sanei, o grande aiatolá da oposição iraniana, ao ressaltar que nenhuma entidade pode instituir ou cassar de alguém o título Marya Taghlid, máxima categoria na hierarquia religiosa xiita, informou hoje a imprensa local.

EFE |

"Um Marya jamais foi eleito ou destituído por uma entidade na história do xiismo", declarou o ex-líder Rafsanjani, citado pelo jornal pró-reformista "Etemad".

A Associação de Mestres em Teologia da cidade santa de Qom defendeu na semana passada a cassação do título de Marya Taghlid concedido a Sanei, um dos clérigos que criticaram o resultado das eleições presidenciais de 12 de junho do ano passado.

Em comunicado divulgado pela agência de notícias iraniana "Fars", a associação anunciou que há mais de um ano investiga as aptidões do citado aiatolá.

"Levando em conta as repetidas perguntas dos crentes, e após ter estudado a questão durante um ano, a Associação de Mestres em Teologia de Qom chegou à conclusão de que ele não reúne as condições necessárias para ser um Marya Taghlid", acrescentou.

Como Marya Taghlid, um clérigo xiita tem o direito de emitir "fatwas" (ordens religiosas) com poder de lei.

O título, como outros na hierarquia religiosa xiita, é obtido por meio de trabalhos intelectuais que demonstrem o grau de conhecimento da jurisprudência islâmica.

No entanto, não há um procedimento formal para ascender na hierarquia, pois o nível hierárquico depende do reconhecimento dos pares na denominada "Hawsa", ou concílio.

Sanei expressou seu apoio ao movimento opositor verde, liderado pelo ex-primeiro-ministro Mir Hussein Moussavi, que considerou fraudulenta a reeleição do presidente Mahmoud Ahmadinejad no pleito de junho do ano passado. EFE msh/sa-sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG