Ex-presidente dos EUA Al Gore é investigado por assédio sexual

Massagista acusa e diz que Al Gore "não é a pessoa que o povo pensa. É um homem doente"

EFE |

O Prêmio Nobel da Paz e ex-candidato presidencial norte-americano Al Gore, que em outra época era uma imagem viva de seriedade e se esforçou para se desprender da sombra de Bill Clinton, enfrenta a reabertura de um processo judicial por assédio sexual.

A notícia de supostos abusos de Gore a uma massagista chega depois que ele e sua esposa anunciaram o divórcio no início de junho através de um e-mail enviado a seus amigos, após 40 anos de um casamento aparentemente feliz.

© AP
Al Gore, Nobel da Paz e ex-presidente dos Estados Unidos

Mas se a separação surpreendeu nos Estados Unidos, onde ainda se lembra o beijo trocado pelo casal durante a convenção do Partido Democrata (PD) no ano de 2000, o relato da massagista chocou a população.

Na época, Gore se esforçava para escapar da sombra do então presidente Bill Clinton, envolvido no escândalo de Monica Lewinsky, a estagiária com a qual manteve um romance. O então candidato Gore não queria que a aventura de seu chefe lhe refletisse.

Agora, a massagista Molly Hagerty, de 54 anos, sustenta que Gore a assediou sexualmente durante uma reunião na noite do dia 24 de outubro de 2006, no Hotel Lucia de Portland, Oregon.

O caso saltou aos jornais nacionais na semana passada depois que o tablóide "National Enquirer" publicou as alegações de Molly em sua capa. "Al Gore não é a pessoa que o povo pensa. É um homem doente", disse a massagista ao jornal.

A polícia sustenta que o advogado de Molly apresentou as acusações dois meses depois do incidente em 2006, mas o processo foi fechado porque ela cancelou três entrevistas com os detetives que realizariam a investigação.

No dia 8 de janeiro de 2009, um detetive finalmente a entrevistou, mas concluiu que não havia provas suficientes para respaldar suas acusações.

Em um giro inesperado, a polícia de Portland anunciou na quarta-feira a reabertura do caso, o que poderia implicar a existência de provas adicionais. "É uma investigação aberta e não posso fazer comentários", se limitou a dizer ontem à imprensa a porta-voz da Polícia, Mary Wheat.

Kalee Kreider, porta-voz de Gore, disse em comunicado que Gore nega "de forma inequívoca e enfática" as acusações e acrescentou que "a investigação" não fará mais do que beneficiá-lo.

Molly disse se sentir obrigada a cooperar perante o temor a represálias contra ela. A massagista assegurou também em seu testemunho policial não estar buscando dinheiro, mas justiça. Porém, o jornal "The Washington Post" informou na semana passada que ela queria US$ 1 milhão para contar sua história ao "National Enquirer".

    Leia tudo sobre: Al Goreassédio sexual

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG