Ex-presidente da Airbus é acusado de uso de informação privilegiada

Paris, 2 jul (EFE).- O ex-presidente da Airbus Gustav Humbert foi acusado hoje por suposto uso de informação privilegiada na investigação das vendas em massa de ações do EADS, matriz da empresa, em 2005 e 2006, por diretores da companhia antes que fossem anunciados os atrasos do avião A380.

EFE |

Segundo fontes ligadas ao caso, o alemão Humbert ficou em liberdade judicial, o que inclui o pagamento de uma fiança de 350 mil euros.

Trata-se do terceiro ex-diretor do grupo europeu acusado de uso de informação privilegiada neste sumário, instruído pelas juízas Xavière Siméoni e Cécile Pendaries.

Os outros dois são os franceses Noel Forgeard, ex-co-presidente do grupo e antigo líder da Airbus, e Jean-Paul Gut, ex-diretor-geral delegado do EADS.

Humbert, de 58 anos, foi detido na segunda-feira passada para interrogatório.

Quando esteve na presidência da Airbus, entre junho de 2005 e julho de 2006, vendeu 160 mil ações do EADS em novembro de 2005, com um lucro de mais de 1,6 milhão de euros, segundo um relatório da Autoridade dos Mercados Financeiros francesa (AMF).

Humbert, Forgeard e Gut fazem parte dos 17 dirigentes atuais ou antigos da Airbus e do EADS suspeitos pela AMF de terem usado informações privilegiadas quando venderam ações do grupo, antes que o anúncio dos atrasos do A380 causasse a queda da cotação da sociedade em bolsa, em junho de 2006. EFE al/ab/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG