Ex-prefeito de Detroit é preso por mentir sobre amante

O ex-prefeito de Detroit, nos Estados Unidos, foi condenado a quatro meses de prisão por obstrução de Justiça em conexão com um escândalo sexual. Kwame Kilpatrick, que renunciou no mês passado, admitiu ter mentido sob juramento quando negou ter um caso com sua ex-chefe de gabinete Christine Beatty.

BBC Brasil |

A sentença faz parte de um acordo fechado entre promotoria e defesa, segundo o qual Kilpatrick se declarou culpado das acusações. Ele também terá que pagar multa de US$ 1 milhão, em restituição aos cofres públicos.

O ex-prefeito também concordou em não se candidatar a nenhum cargo público pelos próximos cinco anos.

Kilpatrick, que é casado, admitiu ter mentido durante uma ação civil apresentada contra ele por dois policiais que o acusavam de ter sido demitidos ilegalmente, porque sabiam do caso.

Ele e Beatty negaram ser amantes, mas um jornal de Detroit publicou mensagens de texto trocadas entre o casal, que provavam a relação de natureza sexual.

Em agosto passado, o ex-prefeito passou uma noite na prisão por ter violado os termos de sua liberdade condicional e viajado para o Canadá sem informar as autoridades.

Beatty recusou um acordo com a promotoria e será julgada em janeiro.

"Insolente"
Ao anunciar a sentença, o juiz David Groner disse a Kilpatrick que dele se esperava um exemplo para Detroit, mas em vez disso, o ex-prefeito violou todas suas responsabilidades, "em uma tentativa de proteger sua carreira política".

"Em um momento em que essa cidade precisava de transparência e responsabilidade, você demonstrou insolência e privilégio às custas da cidade", disse o juiz.

Groner também criticou Kilpatrick por comentários feitos durante uma entrevista coletiva em setembro, logo após ele ter se declarado culpado das acusações, na qual ele culpou outras pessoas por sua situação.

"Naquela noite a comunidade esperava uma mensagem de humildade, remorso e desculpas. Em vez disso, ouvimos um homem arrogante e desafiador, que acusou a governadora, entre outros, por sua queda", disse Groner.

Kilpatrick era um proeminente político negro que, eleito para a prefeitura aos 31 anos de idade, era apontado como uma das estrelas em ascendência dentro do Partido Democrata. A Justiça também suspendeu sua licença de advogado.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG