Exposição em Londres presta homenagem à elegância de Grace Kelly

Sara Gómez Armas. Londres, 16 abr (EFE).- O museu londrino Victoria&Albert presta uma homenagem ao estilo clássico e elegante de Grace Kelly (1929-1982) com uma exposição dos vestidos mais espetaculares que usou como estrela de Hollywood e, depois, como princesa de Mônaco.

EFE |

A exposição "Grace Kelly: Style Icon" ("Grace Kelly: ícone de estilo", em tradução livre) começa neste sábado e ficará aberta ao público até 26 de setembro. Nela, será possível ver criações de alguns dos estilistas prediletos da princesa como Christian Dior, Balenciaga, Givenchy e Yves Saint Laurent.

No entanto, a exposição começa com três elegantes vestidos de Helen Rose, figurinista da Metro Goldwyn Mayer, para o personagem de Grace Kelly no filme "Alta Sociedade" (1956), o último antes de se casar com o príncipe Rainier de Mônaco.

A amizade entre ambas levou Grace a escolher Helen para criar o vestido de noiva que usou em seu casamento com Rainier, em 19 de abril de 1956.

Helen Rose também foi a responsável pelo vestido bege que a atriz vestiu em "O Cisne" (1955), no qual curiosamente interpretava uma princesa forçada a se casar com alguém de sangue azul.

Uma imagem da atriz com esse vestido foi escolhida pela revista francesa "Point de Vue" para a capa da edição em que anunciou o compromisso de Grace Kelly com o príncipe de Mônaco.

Também não poderia faltar o vestido preto de Grace em "Janela Indiscreta" (1954), clássico de Alfred Hitchcock, assinado pela figurinista da Paramount, Edith Head, que também criou o vestido de cetim verde com o qual a atriz recebeu seu Oscar de Melhor Atriz em 1954 por "Amar é Sofrer", com apenas 25 anos.

Em sua relativamente curta carreira como atriz nos anos 50, Grace Kelly se tornou a melhor embaixadora do estilo clássico americano do qual Jacqueline Kennedy viria a ser a máxima representante nos anos 60.

Na seção dedicada a seu papel como membro da realeza monegasca, se destaca o vestido de seda com adornos dourados de manga longa da grife nova-iorquina Branell que usou no dia do anúncio de seu compromisso com Rainier.

O público também poderá ver a tiara e o conjunto de joias da casa Van Cleef and Arples, a favorita de Grace Kelly, que Rainier encomendou em sua loja da Quinta Avenida de Nova York para pedir a então atriz em casamento.

Vários vestidos que usou em atos oficiais como princesa e que estão na exposição merecem especial atenção.

O primeiro deles é o da Givenchy, de lã verde esmeralda, usado em uma visita oficial à Casa Branca em 1961, onde foram recebidos pelo presidente John Kennedy e sua esposa, Jaqueline.

Espetacular também é o vestido em tons roxos de Yves Saint Laurent que a princesa usou em um evento beneficente na Royal Opera House de Londres, no qual encontrou com a então futura princesa Diana, quando esta ainda era noiva do príncipe Charles.

Os acessórios foram os melhores aliados de Grace na composição de seu estilo. Por isso, a exposição não esquece de sua fraqueza pelos grandes óculos de sol, chapéus e luvas brancas.

Mas se há um acessório que não poderia faltar, esse é a mítica bolsa de Hermès que leva seu nome, a "Kelly Bag". O produto virou moda nos anos 50 e 60 depois de a princesa ter sido flagrada em várias ocasiões com ele.

Apesar de estar no mercado desde os anos 30, foi a partir desse momento que a bolsa se tornou um dos ícones da casa. Desde então, seu preço e a lista de espera para sua compra não pararam de aumentar.

Apesar de sua morte prematura, em um acidente de carro na mesma estrada de Mônaco em que ela e Cary Grant fazem um piquenique no filme "Ladrão de Casaca" (1955), o estilo de Grace Kelly é referência até os dias de hoje. EFE sga/bba-dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG