Exportação de gás russo à Europa cai a menos da metade

Por Dave Graham e Dmitry Zhdannikov BERLIM/MOSCOU (Reuters) - O fornecimento de gás russo para a Europa e a Turquia caiu a menos de metade do normal depois de a Ucrânia fechar todos dutos que passam por seu território, obrigando ao uso de rotas alternativas, disse um diretor da estatal russa Gazprom.

Reuters |

Alexander Medvedev, vice-presidente da empresa, afirmou na quarta-feira à Reuters que o fornecimento de gás para a União Européia e a Turquia caiu dos habituais 430 milhões de metros cúbicos (mmc) para 200 milhões de mmc.

A Gazprom está em conflito com a Ucrânia devido a contas atrasadas e a discordâncias sobre o preço. A empresa acusa Kiev de ter fechado os gasodutos usados na exportação para outros países; o governo ucraniano diz ter tomado a medida por causa das restrições no abastecimento ao seu mercado.

"Não podemos enviar gás através da Ucrânia. Eles dizem que não estão mandando gás, mas não temos a capacidade física depois de eles terem interrompido todos os dutos e fechado as estações compressoras", disse Medvedev à Reuters, por telefone, de Berlim.

A Gazprom costuma enviar cerca de 300 mmc por dia à Europa através da Ucrânia, outros 80-90 mmc para a Polônia e a Alemanha pelo gasoduto Yamal-Europa, e cerca de 34-40 mmc para a Turquia, na época de inverno, pelo gasoduto Blue Stream.

Medvedev disse que as exportações por rotas alternativas aumentaram.

De acordo com ele, o Blue Stream, que pertence à Gazprom e passa sob o mar Negro, em direção à Turquia, está operando em sua capacidade máxima, de 48 mmc/dia.

O fornecimento de gás russo via Ucrânia, que estava sendo mantido em 40 mmc por dia, deve ser suspenso, de acordo com determinação do primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, dada nesta quarta-feira. Ele ordenou, segundo a agência Interfax, que a exportadora Gazprom pare de fornecer gás via Ucrânia.

Segundo Medvedev, Kiev está retendo o volume enviado para a Rússia para o uso interno.

O executivo e seu superior direto, o executivo-chefe Alexei Miller, viajariam na quinta-feira para Bruxelas, onde discutiriam a crise com autoridades europeias. "Serão conversas de alto escalão com a Comissão Européia e o Parlamento Europeu", disse.

Medvedev disse não receber contatos da Ucrânia há dois dias, e afirmou desconhecer qualquer conversa marcada para quinta-feira.

Falando a jornalistas em Berlim, Medvedev disse também que as tensões políticas na Ucrânia estão atrapalhando as negociações.

A Rússia suspendeu o fornecimento do gás destinado ao uso doméstico da Ucrânia no dia 1., por causa do impasse sobre o preço.

Para que o sistema de distribuição funcione bem, o gás precisa continuar fluindo. Possíveis danos aos dutos por causa do frio intenso podem retardar a retomada do abastecimento, segundo Medvedev.

Se o sistema não for danificado, o fluxo de gás pode ser retomado num prazo de 12 a 24 horas, disse ele.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG