Explosões e confrontos matam 8 no oeste da China

Supostos separatistas muçulmanos armados com granadas caseiras usaram um taxi para invadir um complexo de escritórios governamentais no oeste da China, neste domingo, resultando na morte de oito pessoas em explosões e em um tiroteio subsequente com a polícia, em mais uma onda de violência que atinge o país desde o início da Olimpíada.

Reuters |

O governo chinês disse que militantes que querem a independência do Turquistão Oriental para os muçulmanos uigures na região de Xinjiang estão entre as maiores ameaças à Olimpíada de Pequim, que começou na última sexta-feira.

Diversas explosões atingiram Kuqa, uma cidade no sul de Xinjiang, que fica a mais de 3 mil quilômetros de Pequim, antes do amanhecer, informou a agência de notícias Xinhua.

"Os perturbadores da ordem usaram um táxi para chegar ao local onde fica o escritório de segurança da cidade, junto a empreendimentos de indústria e negócios, entre outras construções, e arremessaram explosivos feitos à mão, destruindo dois veículos da polícia", disse o comunicado.

Quatro suicidas morreram nos ataques aos escritórios, que mataram uma pessoa, e a polícia matou três agressorores, segundo a Xinhua.

As autoridades locais não sabiam ou não podiam esclarecer quantas pessoas morreram e como isso aconteceu.

"As circunstâncias seguem sem confirmação. Nossos líderes ainda não determinaram a natureza do incidente", disse uma autoridade do escritório de Kuqa do Comitê do Partido Comunista. Ele se recusou a fornecer seu nome. "Parece ser obra de forças separatistas", disse ele, quando questionado sobre o assunto.

Um comerciante uigur em Kuqa, que disse se chamar Anwar, falou à Reuters que explosões, tiros e sirenes ecoaram pela cidade às 3h da manhã (horário local).

"Eu não sei exatamente o que aconteceu, mas o que quer que seja, vai fazer com que todos se preocupem ainda mais com a estabilidade", disse ele pelo telefone.

No mês passado, a polícia de Kuqa ofereceu recompensas de até 200.000 yuans (cerca de 29.000 dólares) por informações sobre o planejamento de "incidentes terroristas que envolvam as Olimpíadas", noticiou a imprensa de Xinjiang no período.

Wang Wei, secretário-geral do comitê organizador da Olimpíada de Pequim, disse a repórteres que os separatistas de Xinjiang "querem usar a realização da Olimpíada para amplificar seus efeitos".

Este foi o segundo ataque às forças de segurança de Xinjiang em uma semana. Um ataque próximo ao posto de polícia de fronteira em Xinjiang matou 16 policiais na última segunda-feira. Dois suspeitos uigures foram presos.

    Leia tudo sobre: china

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG