Explosivo em Paris: Sarkozy pede vigilância e firmeza ante o terrorismo

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, pediu nesta terça-feira vigilância e firmeza frente ao terrorismo e enfatizou a necessidade de manter prudência, após a descoberta de explosivos numa grande loja de Paris.

AFP |

"É necessário que cada um de nós seja extremamente prudente em suas reações", afirmou Sarkozy ao ser indagado sobre a questão durante uma coletiva de imprensa no Europarlamento em Estrasburgo.

"A vigilância frente ao terrorismo é a única linha possível. Vigilância porque lamentavelmente tudo pode acontecer e firmeza porque não se transige com o terrorismo", acrescentou.

Cinco pacotes de explosivos foram desativados na manhã desta terça-feira em uma das lojas da rede parisiense Printemps na avenida Haussman, distrito nove da capital.

As cinco bananas de dinamite encontradas na loja na manhã desta terça-feira não possuíam detonadores, segundo o ministério do Interior.

Um perímetro de segurança foi criado ao redor da loja, que foi evacuada.

Uma reivindicação assinada pela misteriosa Frente Revolucionária Afegã chegou por e-mail à AFP, indicando que várias bombas haviam sido colocadas na loja Printemps-Haussmann, na seção masculina.

Esta é a mensagem traduzida, respeitando-se a pontuação e maiúsculas e minúsculas do original.

"Somos a Frente Revolucionária Afegã. Colocamos várias bombas na loja printemps masculina haussmann, uma delas no terceiro andar nos banheiros atrás do depósito de água a encontrarão (no primeiro andar entrando), se não fizerem intervir alguém antes de quarta-feira 17 de dezembro explodirão. Façam chegar esta mensagem a seu presidente da república que retire suas tropas de nosso país (afeganistão) antes de fevereiro de 2009 se não passaremos à ação em suas grandes lojas de capitalista e desta vez sem avisar, 2 outras bombas serão colocadas nos banheiros de mulher no segundo piso. lhes asseguro que isso nao é piada então avisem muito rápido as autoridades competentes ou terao sangue nas maos.

F.R.A Viva Afeganistão livre".

str/cn

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG