Explosão perto da casa de ministro paquistanês deixa 20 mortos

Por Michael Georgy ISLAMABAD (Reuters) - A explosão de um carro-bomba perto da casa de um ministro de governo provincial no Paquistão matou 20 pessoas na terça-feira, disse um policial, em mais um sinal de que as autoridades estão lutando contra militantes do Taliban cujo objetivo é assumir o poder.

Reuters |

Os militantes que rejeitam a influência ocidental no Paquistão, país dotado de armas nucleares e que Washington vê como crítico na batalha contra a linha-dura islâmica no Afeganistão, não vêm diminuindo seus ataques, apesar da repressão a seus redutos movida pelas forças de segurança.

A explosão aconteceu na cidade de Dera Ghazi Khan, em uma feira, o tipo de lugar frequentemente alvejado por militantes que buscam infligir o número máximo de baixas.

"Aconteceu perto de uma feira, e várias lojas desmoronaram", disse Tariq Gurmani, residente da cidade na província de Punjab, acrescentando que viu várias pessoas feridas.

O ataque serviu para ressaltar fortemente que o governo civil fraco do presidente Asif Ali Zardari ainda não desenvolveu uma estratégia para derrotar os militantes que querem controlar a sociedade com mão forte, o que inclui açoitamentos públicos e execuções de pessoas consideradas imorais.

"Foi um carro-bomba. Cerca de 20 pessoas foram mortas e outras 50 estão feridas", disse a repórteres o policial sênior Mubarak Ali Athar.

Militantes já mataram centenas de pessoas em atentados a bomba desde a repressão movida em outubro no Uaziristão do Sul - parte da região vista como centro global de militantes - e que, segundo as autoridades, desferiu um golpe importante contra o Taliban.

Os militares governaram o Paquistão durante mais de metade dos 62 anos de história do país, e nenhum governo civil até hoje chegou ao fim de seu mandato, fato que valeu ao país a reputação de Estado instável.

O Exército é visto como a instituição mais habilitada a unir o Paquistão, politicamente turbulento, em momentos de crise, apesar de os golpes militares terem prejudicado as credenciais democráticas do país.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG