Explosão deixa pelo menos 31 mortos no Paquistão

Pelo menos 31 pessoas morreram em uma explosão em frente ao Hotel Marriott em Islamabad, capital do Paquistão, neste sábado, segundo a polícia. O número, no entanto, pode subir, e reportagens da TV local afirma que já há 52 vítimas.

BBC Brasil |

AP
Carros ficam completamente destruídos em incêndio
Carros ficam completamente destruídos em incêndio

De acordo com a correspondente da BBC na cidade Barbara Plett, que foi ao local da explosão, a fachada do prédio foi destruída e há escombros por todos os lados.

Ela contou ter visto colunas de fumaça negra saindo de dentro do prédio e paramédicos carregando feridos e mortos. Há informações de que a explosão teria sido causada por um extremista suicida, mas isso ainda não foi confirmado.

Segundo Plett, a explosão ocorreu em frente ao prédio, próximo ao local onde eram feitas checagens de segurança. Ela afirma que cerca de dois terços do hotel - que tem 290 quartos - estão em chamas, e que paramédicos ainda estão retirando feridos e mortos do local, em macas, ou enrolados em lençóis. Ambulâncias e a polícia correram para o local logo após a explosão.

O Marriott fica perto de edifícios do governo e embaixadas estrangeiras. A segurança na região é alta, com veículos e hóspedes sujeitos a checagens.

Ataque anterior

O atentado ocorreu horas depois de o novo presidente paquistanês Asif Ali Zardari ter dito que não ia permitir que o território nacional fosse violado por terroristas ou grupos estrangeiros combatendo militantes.

Em seu primeiro discurso no Parlamento desde que substituiu Pervez Musharraf no mês passado, Zarfari prometeu "combater o terrorismo e o extremismo cada vez e em qualquer lugar que eles mostrarem suas cabeças feias".

O Paquistão tem sido um aliado chave dos Estados Unidos na chamada guerra contra o terror, mas as relações entre os dois países vêm se estremecendo por causa das táticas utilizadas.

Nos últimos meses, o Paquistão vem demonstrando inquietação sobre ações americanas contra militantes em seu território, lançadas do vizinho Afeganistão.

O Marriott é popular entre os estrangeiros que visitam o Paquistão, e já foi alvo de militantes no passado.

No ano passado, um extremista suicida causou a própria morte e a de mais uma pessoa em um atentado contra o hotel.

Leia mais sobre: Paquistão

    Leia tudo sobre: paquistão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG