Explosão de trem cargueiro na Itália mata 14 pessoas

Quatorze pessoas morreram na explosão de um vagão cisterna que transportava GLP (gás liquefeito de petróleo) em um trem que descarrilou próximo à estação de Viareggio, no noroeste da Itália, informou o corpo de bombeiros de Lucques, em um balanço ainda provisório.

AFP |

Segundo os bombeiros, 36 pessoas ficaram feridas no acidente, sendo que 16 se encontram com queimaduras graves, e cinco estão desaparecidas.

Três violentas explosões, seguidas de um grande incêndio, aconteceram pouco antes da meia-noite (19H00 de Brasília) na estação ferroviária situada em pleno centro desta cidade costeira de 50.000 habitantes. As deflagrações afetaram um raio de 300 metros ao redor.

Dois pequenos imóveis desabaram em consequência das violência da explosão e os bombeiros temem que possa haver algumas pessoas sob os escombros.

Um dos edifícios que desabou tinha provavelmente 18 pessoas dentro e várias sobreviveram, mas as autoridades temem que algumas permaneçam sob os escombros, informou à AFP o comandante do corpo de bombeiros, Antonio Gambardella.

"O vagão ficou virado sobre a ferrovia e o gás correu para as moradias mais próximas antes de explodir", explicou ainda.

"Mais de 300 bombeiros procedentes de toda a Toscana, Liguria e, inclusive, de Emilia-Romaña foram mobilizados para enfrentar a situação. Uma das tarefas dos bombeiros e, principalmente, das unidades especializadas em acidentes com produtos químicos é evitar que o resto dos vagões se incendeiem e explodam".

A explosão atingiu um raio de 300 metros de extensão e vários imóveis vizinhos, com cerca de mil moradores no total, foram evacuados ante o temor de novas explosões, informou o prefeito de Viareggio, Luca Lunardini. Segundo ele ainda, uma criança de oito anos foi resgatada com vida.

"Ouvi uma explosão e saí à rua, onde me deparei com as chamas e, infelizmente, um corpo carbonizado e gemendo no chão", contou, estarrecida, um morador local.

"Foi uma cena horrível, que jamais vou me esquecer. Não pudemos fazer nada a não ser cobrir o corpo".

As chamas tomaram conta da área em meio à escuridão e aos gritos de desespero dos moradores locais, segundo um vídeo amador exilbido pelo canal de notícias Sky TG 24.

"Os corpos foram como que ejetados de suas casas pela explosão e se espalhavam pela rua, e também tinha pessoas correndo com a pele em chamas, uma coisa horrível", contou outro morador, Roberto Galli.

A identificação dos mortos deve ser particularmente difícil devido ao fato dos corpos terem ficado completamente carbonizados, explicou à imprensa o chefe do da Proteção Civil, Guido Bertolaso.

As causas do acidente ainda não são conhecidas, mas as autoridades acreditam que provavelmente houve um problema técnico em função da falta de manutenção.

Segundo as primeiras hipóteses, "a fragilização da estrutura" de um vagão devido à ruptura de um eixo pode ter sido a causa do descarrilamento.

Os vagões pertencem a uma empresa privada austríaca e devem ser submetidos regularmente a cada 6 a 7 anos.

O vice-ministro do Transporte, Roberto Castelli, não descarta uma mudança de regulamentação já que, com a privatização do transporte de mercadoria, os vagões percorrem muito mais quilômetros do que no passado.

O chefe do governo italiano, Silvio Berlusconi, anunciou que visitará a cidade para "assumir a situação em suas mãos".

O Papa Bento XVI enviou um telegrama de pêsames às autoridades religiosas da região, enquanto que as três maiores centrais sindicais ferrovi'rias convocaram uma greve de uma hora para esta quarta, em Toscana, para pedir maior segurança para os ferroviários.

O GLP é uma mistura de 50% de butano e 50% de propano. É utilizado como combustível ecológico por inúmeros motoristas.

Depois do acidente com o trem que fazia o trajeto entre o porto de La Spezia e o norte de Pisa, a rede ferroviária sofreu atrasos em toda a península, principalmente no norte.

Este é o pior acidente ferroviário registrado na Itália desde o ocorrido em 7 de janeiro de 2005, perto de Bolonia (centro), quando o choque entre um trem de carga e um de passageiros causou a morte de 17 pessoas e 60 feridos.

jflm/LR/fp/cn

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG