Novo ataque acontece em Helmand enquanto, em Cabul, afegãos enterram vítimas de atentado contra xiitas

A explosão de uma bomba colocada em uma estrada deixou ao menos 19 civis mortos erm Helmand, no sul do Afeganistão, nesta quarta-feira. Pelo menos cinco crianças estão entre as vítimas do ataque, que deixou seis feridos.

Nenhum grupo assumiu responsabilidade pela explosão, que aconteceu quando um micro-ônibus passava por uma estrada de Helmand, província do distrito de Sangin, considerado um reduto do Taleban.

Leia também: Ataques contra xiitas deixam 60 mortos no Afeganistão

Afegãos enterram vítimas de ataque contra xiitas em Cabul, no Afeganistão
AP
Afegãos enterram vítimas de ataque contra xiitas em Cabul, no Afeganistão

A explosão acontece um dia após um duplo ataque contra muçulmanos xiitas ter deixado 60 mortos e criado a preocupação de que os atentados no Afeganistão possam ganhar dimensão sectária. O presidente afegão, Hamid Karzai, antecipou o fim de uma viagem para a Europa por causa da tragédia de terça-feira, dia em que os xiitas celebravam a Ashura, principal evento do calendário religioso.

No primeiro ataque, um suicida detonou explosivos em uma multidão que estava em frente a um santuário na capital, Cabul, deixando 56 mortos – inclusive um cidadão americano não identificado e que não trabalhava para o governo. Depois, um atentando menor contra uma procissão de veículos deixou quatro mortos em Mazar-i-Sharif, norte do país.

Nesta quarta-feira, familiares das vítimas se reuniram para vários funerais em Cabul. Na parte oeste da cidade, o maior cemitério xiita ficou lotado de muçulmanos que fizeram uma procissão fúnebre.

“Matar muçulmanos em frente ao santuário sagrado é inacreditável”, disse Mohammad Nahim, 35 anos, que participou da homenagem. “O homem que tinha uma loja na rua da minha casa, o homem de quem comprava legumes, foi morto”, lamentou.

O principal responsável pela missão da Otan no Afeganistão, John Allen, emitiu uma nota na qual afirma que o crime foi perpetrado por insurgentes que se escondem sob um falso véu islâmico, mas que na verdade os atentados foram um ataque contra sua própria religião. Allen ameaçou o líder do Taleban, mulá Omar, e pediu que ele condenasse "esses atos grotescos de terrorismo".

A milícia afirmou em comunicado enviado aos meios de comunicação que a organização não permite o ataque a afegãos em nome de sua religião, tribo ou procedência. O Taleban condenou fortemente os ataques e disse que estava profundamente triste que afegãos inocentes tenham sido mortos e feridos.

O Afeganistão tem um histórico de violência e tensão entre os muçulmanos sunitas e a minoria xiita, mas, desde a destituição do Taleban do poder, ataques sectários em larga escala como os que abalam o vizinho Paquistão não têm ocorrido.

Com AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.