Expedição russo-americana e turista espacial partem à ISS

Elena Garuz. Moscou, 26 mar (EFE).- A nave Soyuz TMA-14 foi lançada hoje ao espaço, rumo à Estação Espacial Internacional (ISS, em inglês), com três tripulantes a bordo, os integrantes da 19ª expedição e o turista espacial Charles Simonyi, que repetirá sua estadia na plataforma orbital.

EFE |

O lançamento aconteceu às 14h49 de Moscou (8h49 de Brasília) com a ajuda de um foguete portador Soyuz FG a partir da base de Baikonur, no Cazaquistão.

Nove minutos depois, a nave com o cosmonauta russo Gennadi Padalka, seu colega da Nasa (agência espacial americana) Michael Barratt e Simonyi se separou com sucesso do foguete e começou seu voo autônomo de dois dias rumo à plataforma orbital.

"A tripulação se encontra bem. Os cosmonautas começaram a cumprir as tarefas previstas no programa", disse um porta-voz da agência espacial russa Roscosmos, citado pela "Interfax".

O talismã de Padalka, um boneco de neve pendurado em cima do painel de comando, "sinalizou" o começo da perda de gravidade, ao começar a flutuar, afirmou a agência oficial "Itar-Tass".

O acoplamento da Soyuz à ISS está previsto para as 16h14 de Moscou (10h14 de Brasília) do sábado e será retransmitido ao vivo pela televisão russa, como ocorre desde setembro de 2006, quando a 14ª missão viajou à plataforma orbital com a primeira mulher a ser turista espacial, Anousha Ansari.

Simonyi, que teve que desembolsar US$ 35 milhões por sua segunda viagem espacial à estação espacial, voltará à Terra em 7 de abril a bordo da Soyuz TMA-13 junto com a tripulação que será substituída, integrada pelo russo Yuri Lonchakov e o americano Michael Fincke.

Durante sua estadia na plataforma orbital, o turista espacial, que já viajou à ISS em abril de 2007, deve realizar uma série de experimentos científicos, entre eles o de medir a contaminação radioativa da estação espacial, assim como vários de caráter biológico.

Barratt de Padalka, assim como o astronauta japonês Koichi Wakata, quem chegou à plataforma orbital no último dia 17 a bordo do "Discovery" para substituir a colega Sandra Magnus, permanecerão seis meses no espaço.

Padalka será o comandante da plataforma, enquanto seu colega da Nasa desempenhará funções de engenheiro da bordo.

Durante sua missão, a nova tripulação da ISS realizará duas caminhadas, segundo o programa russo, receberá duas naves de carga Progress e outras duas naves pilotadas Soyuz, e realizará 43 experimentos científicos.

Os três integrantes da 19ª expedição receberão a companhia de outros três cosmonautas em maio, para formar a primeira tripulação ampliada de seis pessoas, o qual põe fim, pelo menos por enquanto, à presença de turistas espaciais na plataforma orbital.

Além disso, as naves Soyuz serão o único veículo de substituição de tripulações da ISS, depois que as naves americanas forem retiradas de serviço, em 2010.

Desde 2000, seis turistas ou "participantes não profissionais de voos espaciais", segundo a terminologia da agência espacial russa Roscosmos, viajaram à ISS a bordo de uma Soyuz, acompanhados de outros dois astronautas profissionais.

O nome de Dennis Tito entrou na história como o primeiro turista espacial na estação orbital, ao partir para a ISS em 28 de abril de 2001, viagem pela qual teve que desembolsar mais de US$ 20 milhões.

Depois vieram o sul-africano Mark Shuttleworth, em 2002, e o americano Gregory Olsen, em 2005.

Ansari se tornou a primeira mulher a ser turista na plataforma orbital, em 2006. Depois vieram Simonyi, em 2007, e Richard Garriott, filho do ex-astronauta americano Owen Garriott e que foi ao espaço em 2008. EFE egw/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG