Expectativa sobre compra bilionária da FAB cerca visita de Sarkozy

O presidente francês, Nicolas Sarkozy chega neste domingo ao Brasil em meio à expectativa em relação à definição pelo Brasil da compra de um pacote de 36 caças para renovação da frota da Força Aérea. O negócio é estimado em cerca de US$ 4 bilhões, e a França participa da licitação com o Rafale, fabricado pela Dassault.

BBC Brasil |

Os outros modelos na concorrência são o sueco Gripen, da Saab, e o americano F/A-18 Super Hornet, da Boeing.

Até hoje, apesar de ter participado de várias disputas comerciais, a França ainda não conseguiu vender nenhum Rafale para outro país. Coreia do Sul, Singapura, Arábia Saudita e Holanda são alguns dos países que preferiram optar por concorrentes do avião da Dassault. Apesar disso, o Rafale suscita o interesse de outros países além do Brasil, como a Índia e os Emirados Árabes Unidos.

Preferência
Às vésperas da chegada de Sarkozy a Brasília, o presidente Lula, em entrevista à agência France Presse, na quinta-feira, expressou a prefêrencia do governo brasileiro pelo avião francês devido ao fato da França estar disposta a realizar transferência de tecnologia nesse campo.

"Até por decoro, não posso dizer qual é o meu favorito. A França se mostrou como o país mais flexível na transferência de tecnologia e, obviamente, essa é uma vantagem comparativa excepcional", afirmou Lula.

Segundo a imprensa francesa, o governo francês ficou entusiasmado com as declarações de Lula e acredita, em função disso, ter vantagem em relação aos concorrentes.

O jornal econômico francês Les Echos afirmou na edição da última sexta-feira que o governo da França estaria considerando a possibilidade das declarações de Lula à AFP "precederem boas notícias" em relação ao contrato dos aviões.

De acordo com o jornal, as autoridades francesas estimam que existe "50% de probabilidade de um anúncio (em relação ao vencedor da licitação) ser feito durante a visita de Sarkozy".

Comunicado
As especulações em torno da possibilidade do anúncio durante a viagem de Sarkozy levaram o Ministério da Defesa brasileira a divulgar um comunicado dizendo que a decisão ainda não foi tomada.

"Não há uma data fechada para a divulgação do resultado final da concorrência para o projeto FX-2. O ministro da Defesa, Nelson Jobim, aguarda o relatório técnico do Comando da Aeronáutica para analisá-lo e então encaminhá-lo ao presidente da República a quem caberá a decisão final", diz a nota.

Oficialmente, o governo francês também prefere ser discreto sobre a possibilidade do presidente brasileiro não anunciar sua decisão final durante a visita de Sarkozy ao Brasil.

Jean-David Levitte, conselheiro diplomático do presidente Sarkozy, disse nesta sexta-feira que "a competição vai continuar até o momento do anúncio. Não sabemos quando ele será feito, mas até o último minuto, naturalmente, os americanos e suecos tentarão tudo para ganhar o mercado. A França também. E que o melhor ganhe".

48 horas
Na última visita de Sarkozy ao Brasil, em dezembro de 2008, os dois países fecharam acordos para a construção de 50 helicópteros, quatro submarinos convencionais e um submarino com propulsão nuclear, no âmbito da parceria estratégica firmada entre o Brasil e a França. Os contratos totalizam 6,7 bilhões de euros e devem ser assinados por Sarkozy nesta viagem.

A visita do presidente francês, por ocasião do Ano da França no Brasil, irá durar pouco menos de 48 horas. Sarkozy desembarca no domingo em Brasilia, às 19h30, e terá um jantar com o presidente Lula.

No jantar, eles deverão discutir, segundo Levitte, temas da agenda internacional, como a próxima reunião do G20, em Pittsburgh, nos Estados Unidos, nos dias 24 e 25 deste mês, e assuntos bilaterais.

O líder francês será o primeiro chefe de Estado, desde a independência do Brasil, a participar como convidado oficial do desfile de 7 de setembro.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG