Ex-motorista de Bin Laden seguirá para o Iêmen após seis anos em Guantánamo

Washington, 25 nov (EFE).- O ex-motorista de Osama bin Laden Salim Hamdan será enviado em breve ao Iêmen - seu país natal -, após passar na prisão americana de Guantánamo (Cuba) mais de seis dos sete anos que está detido, informou hoje o diário The Washington Post em sua edição digital.

EFE |

Hamdan, condenado em agosto a cinco anos e meio de prisão por apoio ao terrorismo, chegará a Sana, a capital iemenita, nas próximas 48 horas, afirma o jornal, que cita como fonte dois funcionários governamentais.

No Iêmen, cumprirá o resto da condenação emitida pelo júri militar de Guantánamo, que termina em 27 de dezembro, segundo as fontes.

O ex-motorista de Bin Laden, para quem a Promotoria tinha pedido uma condenação mínima de 30 anos e tinha até mesmo sugerido a prisão perpétua, foi o primeiro acusado de crimes de guerra em um tribunal dos Estados Unidos desde a Segunda Guerra Mundial.

Hamdan foi julgado pelas polêmicas "comissões militares", criadas pelo Governo do presidente George W. Bush para julgar fora das cortes civis e militares ordinárias os casos relacionados com o terrorismo após os atentados de 11 de Setembro.

Detido em novembro desse mesmo ano, quando levava sua esposa à fronteira do Afeganistão com o Paquistão, Hamdan estava desde maio de 2002 em Guantánamo.

A decisão do Pentágono de enviar o ex-motorista de Bin Laden foi adotada para evitar o que poderia ser um conflito diplomático, diz o "Washington Post", que lembra que membros da Administração Bush tinham dito que Hamdan permaneceria detido indefinidamente.

O presidente eleito dos EUA, Barack Obama, indicou em repetidas ocasiões sua intenção de fechar a base de Guantánamo. EFE mr/mh

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG