Ex-ministro é condenado por genocídio em Ruanda

Um ex-vice-ministro do Interior de Ruanda foi condenado a 30 anos de prisão nesta segunda-feira por genocídio. Callixte Kalimanzira, de 54 anos, convenceu milhares de pessoas a se esconder em uma montanha, onde foram alvo de um massacre em 1994.

BBC Brasil |

O Tribunal Penal Internacional para Ruanda ouviu evidências de que Kalimanzira teria supervisionado massacres na região de Butare.

Mais de 800 mil ruandeses da etnia tutsi e hutus moderados foram mortos no genocídio, que durou cem dias.

O tribunal internacional com base na Tanzânia deveria encerrar suas atividades no final deste ano, mas pediu mais tempo.

Quando foi indiciado, em 2005, Kalimanzira foi acusado de atrair milhares de civis tutsi para se refugiar na montanha de Kabuye, na região de Ndora.

Mas quando chegaram ao local, esperando encontrar comida e abrigo, os tutsis foram assassinados por milícias hutus.

Kalimanzira, que se declarou inocente quando foi preso em 2005, também foi acusado de procurar reforços policiais e militares para o massacre.

O ex-ministro era apontado como um aliado próximo do presidente e do primeiro-ministro de Ruanda na época do genocídio.

O Tribunal Penal Internacional para Ruanda foi criado para julgar os responsáveis pelo genocídio de 1994.


Leia mais sobre Ruanda

    Leia tudo sobre: genocídioruandatribunal

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG