Ex-ministro boliviano diz que não lembra nada sobre desaparecimentos

Chonchocoro (Bolívia), 14 ago (EFE).- Luis Arce Gómez, ex-ministro do Interior da ditadura de Luis García Meza (1980-1981) na Bolívia, disse hoje a uma comissão de promotores que não lembra nada sobre os desaparecimentos de pessoas ocorridas durante esse regime.

EFE |

Arce Gómez, de 71 anos, foi interrogado no presídio de segurança máxima de Chonchocoro, situado no planalto boliviano, a 4.000 metros de altitude, onde está preso desde o dia 9 julho para cumprir pena de 30 anos pelos crimes da ditadura.

O advogado de Arce Gómez, Milton Suaznábar, disse que seu cliente sustentou perante os fiscais que não lembra de nada porque já se passaram muitos anos e considera que, por enquanto, não seria prudente fazer uma declaração.

"Tem a intenção de colaborar na medida de suas possibilidades. Se não lembra ou não sabe nada sobre algum fato também não poderia colaborar. Não pode inventar fatos, nem lugares, nem momentos", disse o advogado à imprensa.

O ex-ministro repassará algumas de suas anotações para ver se "lembra algo importante para a investigação", acrescentou Suaznábar.

Arce Gómez, que então era conhecido como "ministro da cocaína", se encontra em Chonchocoro após ser expulso dos Estados Unidos, onde cumpriu pena de 15 anos por narcotráfico.

Segundo o Governo boliviano, durante a ditadura de Luis García Meza foram assassinadas 93 pessoas e 27 desapareceram. EFE vs-ja/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG