Ex-ministra do Khmer Vermelho pede que seja libertada

Phnom Penh, 24 fev (EFE).- Ieng Thirit, ex-ministra de Assuntos Sociais e ex-dirigente do Camboja durante o Governo do Khmer Vermelho compareceu hoje ao Tribunal Internacional para defender o recurso de apelação contra sua prisão por crimes contra a Humanidade.

EFE |

Ieng Thirit, de 76 anos, alegou que seu estado de saúde lhe impedia falar em sua defesa pelo que delegou a seus advogados expor o argumento do recurso.

"Estou fraca demais", disse Ieng Thirit, mulher do ex-ministro de Relações Exteriores do Khmer Vermelho, Ieng Sary, de 83 anos e acusado de crimes de guerra e contra a Humanidade.

A Procuradoria insistiu que Ieng Thirit tem que permanecer presa para prevenir sua fuga e uma eventual coação das testemunhas que serão chamados a depor em seu julgamento, cuja data de início não foi anunciada.

O casal foi detido em novembro de 2007 em sua luxuosa casa de Phnom Penh, por ordem do tribunal das Nações Unidas depois das investigações que os relacionaram às atrocidades cometidas durante o Governo do Khmer Vermelho, de janeiro de 1975 a abril de 1979.

Cerca de 1,7 milhões pessoas morreram de fome, as doenças, e por execuções e perseguições ordenadas pela cúpula da organização comunista chefiada por Pol Pot. EFE jcp/jp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG