"Ex-menino" Elián González se diz feliz por viver em Cuba

Pivô de disputa diplomática entre regime comunista e Estados Unidos, Elián aparece em público após vários anos recluso

Reuters |

O menino cubano Elián González se tornou há uma década o pivô de uma disputa diplomática entre o seu país e os Estados Unidos. Agora um adolescente, ele disse na quarta-feira que ficou feliz por ter sido criado na ilha comunista.

Nas suas primeiras declarações públicas em vários anos, Elián, de 16 anos, disse também que não guarda mágoas dos seus parentes de Miami que lutaram para mantê-lo nos EUA, alegando que lá ele teria uma vida melhor.

Elián era um fotogênico menino de 5 anos quando foi encontrado boiando dentro de uma câmara pneumática, na costa da Flórida, em novembro de 1999. Sua mãe e outros cubanos que acompanhavam o menino haviam morrido no naufrágio de uma frágil embarcação na qual o grupo tentava viajar clandestinamente de Cuba para os EUA.

O regime comunista realizou uma campanha internacional para que ele fosse devolvido a Cuba e criado pelo pai e os avós. Os EUA acabaram cedendo, e agentes armados tiveram que arrancar à força o menino da família em Miami.

Reuters
Agentes armados tiveram que arrancar à força o menino da família em Miami em abril de 2000

"Embora eles não tenham nos apoiado em tudo ..., não tenho nenhuma amargura em relação a eles", disse Elián sobre os parentes radicados nos EUA. As declarações à imprensa foram feitas após uma cerimônia religiosa que celebrou os dez anos da sua devolução a Cuba.

O presidente do país, Raúl Castro, acompanhou a cerimônia ao lado de Elián, hoje aluno de uma escola militar, que compareceu vestindo calça jeans e camisa listrada de manga curta.

"Este é o lugar ao qual pertenço. Aqui me sinto bem", disse Elián. "Graças à ajuda de uma grande parte do povo norte-americano e do nosso povo, hoje estou com meu pai, e isso é tudo", acrescentou.

Reuters
Hoje com 16 anos, Elián González é fotografado em em missa em Havana

O pai dele, Juan Miguel González, disse ter "mais certeza hoje do que naquele momento" sobre o acerto em trazer o menino de volta. "Vê-lo hoje se saindo bem, com boas notas na escola, mostra que o que fizemos não foi sem razão."

Ao contrário do filho, González-pai ainda tem ressentimentos contra a família de Miami. "Aqui estamos unidos, com minha gente, que se comportou melhor do que eles".

    Leia tudo sobre: CubaElian Gonzalez

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG