Por Joseph Guyler Delva PORTO PRÍNCIPE (Reuters) - Um ex-líder rebelde do Haiti, procurado pelas autoridades antidrogas do país e dos EUA, candidatou-se na segunda-feira a uma vaga no Senado, numa manobra ousada para tentar conseguir imunidade.

Guy Philippe foi escoltado por quatro homens à paisana, armados, e por dois outros com uniformes policiais até a sede da Justiça Eleitoral da cidade de Jeremie (sul), onde apresentou seus documentos às autoridades.

"Apresentei meus documentos às autoridades eleitorais, que me deram um recibo dizendo que meus documentos atendem às exigências legais e que estou autorizado a concorrer", disse Philippe na segunda-feira a jornalistas locais.

Nos últimos dois anos, agentes da DEA (órgão antidrogas dos EUA) e autoridades haitianas fizeram duas operações malsucedidas para tentar prender Philippe, acusado de narcotráfico. Ele nega.

"Prometi concorrer ao Senado. Estou aqui para honrar minha promessa, mas infelizmente os que prometeram me prender não estavam lá para o encontro", disse Philippe, em tom de desafio. "E vou vencer a eleição", acrescentou.

O agora candidato disse ter recebido um atestado policial de bons antecedentes, apesar do envolvimento de unidades policiais especializadas nas duas tentativas prévias de capturá-lo.

Se for eleito e tomar posse, Philippe terá direito a imunidade parlamentar. Ex-militar, ex-chefe de polícia, ele liderou a revolta armada que depôs o presidente Jean-Bertrand Aristide em 2004, e em 2006 se candidatou a presidente.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.