Ex-líder mauritano rejeita falar de golpe militar no país

Túnis, 3 nov (EFE) - O ex-presidente mauritano, Ely Ould Mohamed Vall, não quis hoje falar sobre o golpe militar que recentemente depôs o Governo democrático do país, destacando, no entanto, que deseja a democracia no marco de um Estado de direito.

EFE |

O antigo militar mauritano, que cedeu o poder aos civis após depor o presidente Maaouya Ould Sid'Ahmed Taya, discursou hoje em um simpósio internacional organizado pelo partido governista tunisiano.

Em momento algum de seu pronunciamento ele fez referência à Mauritânia e se limitou a dizer que "se Deus permitir, em um futuro próximo nossos povos poderão enraizar a democracia".

Sobre os países do Magrebe, ressaltou que "os eixos essenciais que devem ser reforçados nele são se adaptar ao pluralismo de partidos, dinamizar a liberdade de imprensa, ampliar o campo de representação política das camadas sociais e consagrar o Estado de direito". EFE mo/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG