Ex-juiz dos EUA é julgado por abusar sexualmente de detentos

Um ex-juiz da cidade de Mobile, no Estado do Alabama, Estados Unidos, começou nesta segunda-feira a ser julgado por supostamente abusar sexualmente de prisioneiros.

BBC Brasil |

Em alguns casos, Herman Thomas, de 48 anos, teria exigido sexo de detentos em troca de ajuda nos processos deles, para que tivessem penas mais leves. O réu nega as acusações que incluem sodomia, sequestro, extorsão, abuso sexual e agressão.

Até 15 prisioneiros e ex-prisioneiros devem testemunhar contra ele no tribunal. Se o ex-juiz for considerado culpado das acusações mais sérias, como sequestro, poderá ser condenado à prisão perpétua.

Remo

Documentos da Justiça mostram que alguns dos prisioneiros envolvidos no caso afirmaram que foram retirados da cadeia para encontros com o ex-juiz em seu carro ou em seu escritório. Eles alegam ter sofrido abuso durante estes encontros.

Thomas, por sua vez, afirmou anteriormente que estava tentando orientar os prisioneiros. Ele já foi o favorito do Partido Democrata para ser o primeiro juiz federal negro no sul do Alabama.

Mas ele renunciou ao cargo em 2007 depois das acusações de que teria submetido prisioneiros a atos sadomasoquistas com um remo. A licença de Thomas para prática jurídica também já foi suspensa.

'Linchamento high-tech'

Robert Clark, o advogado de Herman Thomas, afirmou que as supostas vítimas estão tentando arruinar a carreira do ex-juiz.

Em abril, Clark descreveu a situação como um "linchamento high-tech" com motivações políticas. "Eles não gostam de negros orgulhosos, e é assim que eles veem Herman", afirmou.

A Associação Nacional para o Progresso de Pessoas Negras (NAACP, na sigla em inglês), uma organização de defesa dos direitos civis, afirmou que Thomas está sendo processado devido à sua raça.

"Sempre tive grande respeito por ele", afirmou Bob Eddington, ex-senador estadual democrata e promotor de Mobile. "As acusações foram uma surpresa completa para mim e todas as pessoas que o conheciam", acrescentou. O julgamento de Thomas deve durar várias semanas.

Leia mais sobre abuso sexual

    Leia tudo sobre: abuso sexualeua

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG