Ex-governador de N.York escapa de processo por escândalo sexual

Nova York, 6 nov (EFE).- A Promotoria de Nova York descartou hoje apresentar acusações contra o ex-governador do estado Eliot Spitzer, por seu envolvimento em um escândalo de prostituição que levou a sua renúncia no início de ano.

EFE |

O Promotor federal do Distrito Sul de Manhattan, Michael García, explicou que, apesar de o próprio Spitzer ter reconhecido ter pagado os serviços da rede de prostituição internacional Emperors Club VIP, não existem evidências suficientes de que ele teria cometido alguma infração relacionada com esses pagamentos.

"Como Spitzer aceitou responsabilidades por sua conduta, concluímos que em prol do interesse geral não vamos apresentar acusações contra ele por este assunto", anunciou hoje García através de um comunicado.

O ex-governador de Nova York renunciou em 12 de março após ser identificado como cliente desta rede de prostituição, devido a uma investigação aberta em 2007, ao serem detectadas uma série de transações bancárias suspeitas.

Segundo o promotor, a investigação que buscava acusar Spitzer começou quando seu departamento teve notícia dos pagamentos efetuados "de maneira questionável" por parte do ex-governador.

"Eliot Spitzer reconheceu à Promotoria que foi cliente do Emperors Clube VIP e que fez pagamentos", assegurou García, que disse ainda que "em várias ocasiões (o ex-governador) arquitetou a transferência de mulheres de um estado a outro para fins de prostituição".

No entanto, e após uma "minuciosa" investigação, as autoridades de Nova York asseguraram não terem achado evidências de abuso ou gestão fraudulenta de fundos públicos ou de campanha. EFE gl/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG