Exército sinaliza 1ª unidade de conservação na BR-319

O Serviço Geográfico do Exército brasileiro completou nesta quarta-feira a sinalização da primeira placa e do primeiro marco no Parque Estadual do Tapauá, uma das 27 unidades de conservação criadas no entorno da BR-319. Ao todo, serão instalados 5 mil marcos nestes parques, além de placas de sinalização informativas para demarcar a área das unidades, que soma quase 12 milhões de hectares.

BBC Brasil |

A tarefa de levar placas e marcos a locais muitas vezes isolados no meio da floresta amazônica - como foi o caso nesta quarta-feira, deve ser completado pelo Exército até outubro de 2010.

"O Exército sempre foi um órgão essencialmente ambiental e agora, com este trabalho, mais ainda", afirmou à BBC Brasil o general Pedro Ronalt Vieira, diretor do Serviço Geográfico do Exército.

GPS
A BBC Brasil acompanhou os trabalhos de instalação no parque do Tapauá, que incluíram a instalação de um aparelho GPS de alta precisão para localizar o ponto exato de instalação do marco.

A demarcação das unidades de conservação próximas à BR-319 foi uma exigência do Ibama para liberar a pavimentação do trecho central, de 400 quilômetros, da rodovia.

O Estudo de Impacto Ambiental apresentado pelo Departamento Nacional de Infra-Estrutura e Transportes (DNIT) foi rejeitado pelo Ibama, em julho.

Embora o trabalho do Exército esteja só começando, a ansiedade pela liberação da obra já pode ser sentida nas comunidades que margeiam a estrada.

Edith Alves Pantoja, moradora da Vila Realidade, o último povoado antes do trecho ainda sob embargo, vê a recuperação das pistas com esperança.

"Podia abrir a BR para poder passar gente por aqui", afirmou Edith à equipe da BBC Brasil.

Na terça-feira, índios da aldeia Tucumã, também às margens da BR-319, encontraram a equipe da BBC Brasil na beira da estrada e manifestaram o seu descontentamento com a demora na demarcação das terras.

Para eles, quanto mais tempo a demarcação levar, mais difícil ficará proteger as suas terras, caso a BR volte a funcionar.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG