Gaza, 26 dez (EFE).- O Exército israelense matou seis palestinos nas últimas horas, dos quais três eram milicianos, informaram testemunhas e a imprensa.

No norte da Faixa de Gaza, três civis perderam a vida na manhã deste sábado. Eles estavam junto à cerca na fronteira entre o território e Israel quando foram atacados pela Força Aérea israelense.

Testemunhas contaram que pelo menos quatro pessoas tentavam entrar em Israel pela passagem fronteiriça de Erez, localizada no extremo norte da faixa palestina. Soldados israelenses teriam descoberto a tentativa e atiraram contra o grupo.

Um porta-voz do Exército confirmou o fato à Agência Efe e disse que militares atiraram várias vezes contra os palestinos que tentavam entrar em Israel para cometer "atos terroristas".

Além dos três palestinos que morreram no ataque aéreo, um quarto ficou ferido, embora se desconheça a gravidade de seu estado, segundo as testemunhas.

A Autoridade Nacional Palestina (ANP) foi informada do fato pelas autoridades israelenses, disseram fontes na faixa.

Beduínos que vivem no norte de Gaza ainda tentaram recolher os corpos dos palestinos em charretes, mas foram dissuadidos por tiros de soldados israelenses.

Em outro episódio, tropas israelenses lançaram uma incursão na cidade de Nablus, na Cisjordânia, matando três milicianos ligados às Brigadas dos Mártires de al-Aqsa, braço armado do Fatah, o partido do presidente da ANP, Mahmoud Abbas.

Os três milicianos mortos foram identificados como: Raed al-Sarkaji, de 38 anos; Ghassan Abu Sharej, de 40, e Anan Soboh, de 36.

Ghassan Hamedan, médico responsável pelo hospital de Nablus, informou à imprensa que os soldados israelenses invadiram a casa de Sarkaji e o mataram na presença da mulher, que ficou ferida.

Já Sharej foi ferido pelos soldados depois de ter sido detido, enquanto Soboh perdeu a vida em um tiroteio com os soldados israelenses. EFE sar/sc

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.