Exército filipino suspende ataque contra local onde jornalistas estão detidos

Zamboanga (Filipinas), 16 jun (EFE).- O Exército das Filipinas suspendeu hoje o ataque contra um suposto acampamento do grupo radical Abu Sayyaf, ligado à Al Qaeda, onde dois jornalistas e um professor universitário permanecem seqüestrados pela bando terrorista.

EFE |

A decisão se deve ao temor de que o bombardeio prejudique os trabalhos de negociação para libertar os reféns capturados há oito dias na ilha de Jolo, ao sul do arquipélago filipino.

Segundo um funcionário local, cinco civis ficaram feridos na ofensiva perto do povoado de Indanan, ao sul de Manila.

O Exército desdobrou centenas de soldados nas florestas de Indanan, lugar na qual se acredita que a repórter Ces Drilon, seu cinegrafista Jimmy Encarnación e o professor universitário Octavio Dinampo permanecem seqüestrados.

A vice-governadora de Jolo, Nour An Sahidullah, um dos negociadores nomeados pelos seqüestradores, expressou ontem seu temor de que o ataque possa afetar os esforços realizados para libertar os cativos.

Sahidullah, disse não ter recebido novos relatórios dos extremistas, manifestando que espera notícias positivas sobre a liberação dos seqüestrados na segunda-feira ou na terça-feira. EFE rp/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG