Exército equatoriano descarta suposto ataque das Farc vindo de seu território

Quito, 26 abr (EFE).- O Exército do Equador assegurou hoje que mantém um controle total da fronteira com a Colômbia e descartou supostos ataques das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), contra militares colombianos, a partir de território equatoriano.

EFE |

O general Fabián Narváez, chefe da IV Divisão do Exército Amazonas, disse à agência Efe que unidades militares equatorianas se encontram na localidade fronteiriça de Puerto Nuevo, a partir de onde supostamente as Farc atacaram tropas colombianas, segundo versões das autoridades desse país.

"Descarto essa situação", realçou Narváez, após insistir que o Exército do Equador tem pleno controle na zona fronteiriça.

Segundo fontes militares da Colômbia, tropas militares foram supostamente atacadas pelas Farc, a partir do território equatoriano com cilindros-bomba, que feriram um soldado na localidade de Teteyé, vizinha da equatoriana de Puerto Nuevo.

De acordo com essa versão, as tropas colombianas foram atacadas quando prestavam assistência a um grupo de engenheiros em atividades de prospecção petrolífera, em um ponto da selva do departamento de Putumayo, fronteiriço com a província equatoriana de Sucumbíos.

Narváez descartou que esse ataque tenha acontecido a partir do Equador, e insistiu que unidades de sua divisão controlam esse setor fronteiriço e não registraram atividades do grupo irregular colombiano.

"Nós estamos patrulhando o setor e estamos desde ontem em Puerto Nuevo, que é de onde sai a informação", precisou Narváez.

"Nossas tropas equatorianas estão à frente e desde ontem escutamos disparos de armas automáticas, mas vindas do interior do território colombiano", destacou Narváez, ressaltando que a vigilância e o controle da zona se realizam "por ar, por terra e pelo rio" que serve de divisória no local.

Também o departamento de imprensa da IV Divisão de Exército Amazonas informou em comunicado remetido à Efe que desde 13 de abril operações militares são desenvolvidas na fronteira com a Colômbia.

As operações denominadas "Cofán II, Soberania V e Barquilla I, na fronteira norte, ao longo dos rios San Miguel e Putumayo", se concentram no "controle de vias, patrulhas e blitz fluviais, além do reconhecimento terrestre nos setores do El Palmar e El Porvir".

"Estas ações estiveram acompanhadas de reconhecimento aéreo com helicópteros de ataque", precisou o texto oficial.

Além disso, afirmou que na "sexta-feira 25 de abril, enquanto unidades da IV Divisão de Exército realizavam uma operação de controle de fronteiras, na área de Puerto Nuevo e Los Diamantes, escutaram que em território colombiano, em Teteyé, ocorreram detonações e disparos de armas automáticas". EFE fa/fb

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG