Exército chinês proíbe soldados de usarem redes sociais e blogs

Autoridades chinesas afirmaram que atividade na web seria uma "ameaça para a integridade de seus segredos militares"

EFE |

O Exército de Libertação Popular (PLA) da China, o maior do mundo, emitiu um decreto proibindo seus mais de dois milhões de soldados de "fazer amigos, 'blogar', procurar namoro ou trabalho na internet", destacou o diário oficial "China Daily" nesta terça-feira.

O decreto, redigido pelo Estado-Maior e o Departamento Político das Forças Armadas, procura proibir todo o pessoal militar chinês de "socializar na rede", já que considera esta prática "uma ameaça para a integridade de seus segredos militares", assinalou a informação, também publicada pelo "PLA Daily". Segundo o diário militar, estas atividades "tiveram um efeito ruim nas vidas dos soldados e em seus treinamentos".

A China é o país com o maior número de internautas do mundo (em torno de 480 milhões), e ao mesmo tempo é um dos que exerce maior censura sobre os conteúdos da rede. Alguns dos sites mais populares do mundo, como YouTube, Twitter e Facebook, são bloqueados em território chinês, embora alguns usuários possam acessá-los na China graças a "truques".

    Leia tudo sobre: chinainternetexército

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG