Exército chileno rescinde contratos de colaboradores de Pinochet

O Exército do Chile anunciou o fim do contrato de assessoria de 13 militares da reserva que integraram a polícia secreta durante a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990), e que são processados por violar os direitos humanos.

AFP |

"Caducam, a partir desta data, todos os contratos de pessoas na reserva que se encontram submetidas a processo. Nesta resolução o comandante-em-chefe encontrou a compreensão das pessoas afetadas que, ante o requerimento, em sua grande maioria, renunciou voluntariamente", afirma um comunicado oficial.

O anúncio foi feito pelo comandante do Exército do Chile, Oscar Izurieta, na Comissão de Defesa da Câmara dos Deputados, onde apresentou detalhes dos contratos da instituição com antigos militares que integraram a Direção de Inteligência Nacional (DINA).

Ao mesmo tempo, o Exército reiterou que oficiais da ativa sob processo judicial por supostos vínculos com a ditadura não serão removidos até o anúncio das sentenças.

mav/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG