Ex-ditador argentino Bignone é condenado a 25 anos de prisão

A Justiça argentina sentenciou nesta terça-feira a 25 anos de prisão o ex-ditador Reynaldo Bignone, último líder do regime militar de 1976-1983, por torturas e cárcere privado contra 56 pessoas detidas em um campo clandestino.

Reuters |

AFP
Bignone durante o julgamento
Bignone durante o julgamento
O julgamento público sentenciou Bignone, de 82 anos, e outros seis generais acusados dos mesmos crimes, ocorridos em 1976.

A pena de Bignone deverá ser cumprida em uma prisão federal, e ele também sofrerá "inabilitação absoluta e perpétua" dos seus direitos judiciais, além de ter de pagar as custas do processo.

Bignone foi presidente da Argentina entre 1982 e 1983, período marcado por caos econômico e pela derrota na Guerra das Malvinas. Ele entregou o poder ao civil Raúl Alfonsín, eleito pelo voto popular em 1983.

O processo que o condenou dizia respeito a crimes cometidos no Campo de Mayo, guarnição mais representativa do Exército argentino, que foi transformada em prisão clandestina.

Leia mais sobre Argentina

    Leia tudo sobre: argentina

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG