Ex-diretores de Itaipu são acusados de corrupção em hidrelétrica

Assunção, 21 out (EFE).- Dois ex-diretores da hidrelétrica de Itaipu, um deles atualmente senador, foram denunciados hoje no Paraguai como envolvidos em um suposto caso de corrupção durante o exercício de seus cargos na usina.

EFE |

A denúncia contra Víctor Bernal, hoje senador do opositor Partido Colorado do Paraguai, e seu sucessor em Itaipu, Ramón Romero Roa, tem relação com um suposto dano patrimonial de 34 bilhões de guaranis (US$ 7,4 milhões) contra a Fundação Tesai, beneficiada de parte dos denominados fundos sociais gerados pela hidrelétrica.

Os documentos referentes ao caso foram apresentados pelo atual diretor paraguaio da hidrelétrica, Carlos Mateo Balmelli, durante a reunião que teve hoje com o procurador-geral do Estado, Rubén Candia Amarilla.

"A denúncia é formulada de modo a não deixar impunes os presumíveis delitos que se deduzem de uma auditoria externa realizada desde junho passado" na hidrelétrica, disse aos jornalistas Balmelli, do Partido Liberal Radical Autêntico (PLRA), base política no Congresso do atual presidente paraguaio, Fernando Lugo.

Por sua parte, Alfredo Kronaweter, um dos advogados de Itaipu, assinalou que "não consta materialmente ou fisicamente a compra e aquisição de remédios e equipamentos médicos para a Fundação Tesai" por parte de Itaipu.

"Também não existem balanços que possam determinar o estado contábil" desse organismo beneficiado pela hidrelétrica, frisou o advogado.

Bernal deixou em janeiro passado a direção de Itaipu, que exerceu desde 2003, para promover sua candidatura ao Senado nas eleições gerais de 20 de abril, e foi substituído por Roa, que, por sua vez, foi substituído por Balmelli em agosto.

Para processar, Bernal é necessário antes que ele perca sua imunidade como legislador.

Cada um dos países proprietários da hidrelétrica de Itaipu tem um diretor na central. EFE rg/rr

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG