Ex-diretor do Stanford se declara inocente de destruição de documentos

Miami, 18 set (EFE).- Thomas Raffanello, antigo diretor do Grupo Financeiro Stanford (SFG, na sigla em inglês), se declarou hoje inocente das acusações que o envolvem na destruição de documentos relacionados com essa entidade bancária, informou uma fonte da Justiça.

EFE |

Raffanello, de 61 anos, se declarou inocente em um tribunal de Fort Lauderdale (norte de Miami) das acusações relacionadas com a destruição de documentos do SFG, que deviam ser preservados para uma investigação federal.

O acusado também foi ex-chefe da Direção de Controle de Drogas americana (DEA, na sigla em inglês), e esteve à frente dos casos do ex-general panamenho Manuel Antonio Noriega e do narcotraficante colombiano Fabio Ochoa Vásquez.

Raffanello é acusado de conspirar para obstruir um procedimento da Comissão de Valores dos EUA e destruir documentação relacionada com a investigação iniciada contra o SFG.

O SFG sofreu interdição por causa de uma suposta fraude cometida mediante o Stanford International Bank Ltd., que tinha sua sede em Saint John (Antigua), através de um sistema piramidal que, segundo as autoridades americanas, chega a cerca de US$ 8 bilhões.

Raffanelo supostamente comandou a destruição de documentos que, por ordem de um tribunal de Houston (Texas), deviam ser preservados para o caso interposto nessa instância judicial. EFE emi/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG