Ex-chefes paramilitares extraditados se declaram inocentes nos EUA

Washington, 15 mai (EFE) - Oito dos quatorze ex-chefes paramilitares extraditados na segunda-feira pela Colômbia aos Estados Unidos, entre eles Salvatore Mancuso, o último chefe das Autodefesas Unidas da Colômbia (AUC), se declararam hoje inocentes de tráfico de drogas em seu primeiro comparecimento perante um juiz.

EFE |

Os ex-líderes da guerrilha, que prestaram depoimento perante o juiz federal Alan Kay, da Corte Federal do Distrito de Columbia, permanecerão detidos até uma nova audiência.

Mancuso, Nodier Giraldo, Hernán Giraldo Serna, Edwin Mauricio Gómez Luna, Eduardo Enrique Vengoechea Mola, Martín Peñaranda Osorio, Rodrigo Tovar Pupo, conhecido como "Jorge 40", e Juan Carlos Sierra Ramírez chegaram à Corte visivelmente nervosos, vestidos com o macacão laranja característico dos presos nos EUA.

A Promotoria os acusa de conspirar para produzir e distribuir cinco quilos ou mais de cocaína com a intenção de importar essa substância aos EUA e de ajudar e apoiar essa conspiração.

Além disso, pesa sobre eles uma ordem de apreensão de seus bens.

O juiz tomou primeiro e separadamente o depoimento de Salvatore Mancuso e Juan Carlos Sierra, que são acusados em um caso anterior ao resto, de 2002.

Todos eles afirmaram sua inocência ao magistrado, em uma audiência que durou cerca de uma hora e na qual só houve perguntas de procedimento.

Em 21 de maio haverá uma nova audiência para determinar se permanecem detidos até o início do julgamento.

Em seu comparecimento de hoje perante o juiz, quase todos eles pediram tempo para pensar se contratam um advogado, pois alegam terem sido pegos de surpresa pela extradição aos Estados Unidos e só dispõem, por enquanto, dos serviços de advogados de ofício.

Só Mancuso conta com um advogado privado, Richard Díaz, o mesmo que representa Carlos Mario Jiménez, conhecido como "Macaco", que foi extraditado em 7 de maio.

"Macaco", contra o qual pesam acusações similares, permanece detido na prisão do Distrito de Columbia à espera do início de seu julgamento, cuja data ainda não foi determinada.

Os outros oito ex-membros das AUC, grupo de extrema-direita que figura na lista de organizações terroristas dos EUA, foram levados à mesma prisão que "Macaco", mas as autoridades o manterão isolados e sem contato entre si.

Os outros seis ex-líderes paramilitares extraditados na segunda-feira por Bogotá aos EUA enfrentam acusações de tráfico de drogas, lavagem de dinheiro e apoio material a uma organização terrorista (as AUC) em diferentes tribunais da Flórida, Nova York e Texas.

Concretamente, Diego Fernando Murillo Bejarano, conhecido como "Don Berna", será julgado no Distrito Sul de Nova York e Diego Alberto Ruiz Arroyave será acusado no distrito sul do Texas.

Por sua parte, Ramiro Vanoy Murillo e Francisco Javier Zuluaga serão transferidos ao distrito sul da Flórida, enquanto Guillermo Pérez Alzate e Manuel Enrique Torregrosa Castro terão que comparecer a uma corte do distrito médio da Flórida. EFE cae/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG