Ex-assessor de premiê britânico será detido por grampos, diz Guardian

Andy Coulson, ex-chefe de imprensa de Cameron, foi diretor do tabloide News of the World quando começou o escândalo das escutas

iG São Paulo |

Andy Coulson, ex-chefe de imprensa do primeiro-ministro britânico, David Cameron, e diretor do News of the World na época em que começou o escândalo das escutas telefônicas de personalidades pelo tabloide, será detido na sexta-feira sob suspeita de envolvimento com essas atividades, informou nesta quinta-feira o Guardian.

A detenção será embaraçosa para Cameron, que por várias vezes defendeu sua decisão de contratar o controverso ex-jornalista em meio a crescentes evidências de seu envolvimento no escândalo de escutas ilegais.

Em seu site, o jornal britânico também antecipa que, nos próximos dias, a polícia deterá outro experiente jornalista, cuja identidade diz conhecer, embora não a revele para evitar prejudicar as investigações.

Coulson, que em janeiro renunciou ao cargo de diretor de comunicações do premiê do Reino Unido, foi contatado nesta quinta-feira pelos agentes para que compareça na sexta-feira a uma delegacia do centro de Londres, segundo o diário.

Os agentes acreditam que ele estava a par do caso das escutas nos anos em que dirigiu o News of the World ou envolvido indiretamente no caso.

O Guardian acrescentou que Coulson será interrogado pelos agentes encarregados da Operação Weeting, um processo que pode durar várias horas e após o qual ele será provavelmente posto em liberdade sob fiança com a condição de que compareça a uma corte em data a ser estabelecida  juntamente com três ex-colegas que já foram detidos: Ian Edmondson, Neville Thurlbeck e James Weatherup .

A informação sobre a prisão de Coulson surgiu após a News International, divisão responsável pelos jornais britânicos da News Corp., anunciar que fechará o tabloide News of the World. James Murdoch, que chefia as operações europeias do jornal, disse que o jornal de 168 anos publicará sua última edição no domingo 10 de julho. O escândalo custou ao dominical, o recordista de vendas no Reino Unido, prestígio e anunciantes.

A decisão foi tomada em meio a denúncias de que empregados do jornal - que pertence à News Corp. , império midiático de Rupert Murdoch - foram acusados de grampear os telefones de uma estudante desaparecida , de famílias de vítimas dos ataques terroristas de 2005 em Londres, da família real britânica , de celebridades e figuras públicas da política, do esporte e do entretenimento e de parentes de soldados britânicos mortos no Iraque e no Afeganistão.

*Com EFE

    Leia tudo sobre: camerongrã-bretanhanews of the worldgramposmurdoch

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG