Ex-apresentador e embaixador são presos por pedofilia em Portugal

Justiça condena 6 de 7 réus por abuso de 32 meninos no orfanato público Casa Pia nos anos 90; escândalo foi revelado em 2002

iG São Paulo |

O ex-apresentador de TV Carlos Cruz e o embaixador aposentado Jorge Ritto estão entre os seis réus considerados culpados nesta sexta-feira de abusar sexualmente de crianças nos anos 90, em Portugal. Os garotos, agora com idades entre 16 e 22, residiam no orfanato Casa Pia, administrado pelo Estado na capital portuguesa, Lisboa.

AP
Ex-diplomata e embaixador na Unesco Jorge Ritto, réu no escândalo de abuso sexual no orfanato Casa Pia, chega a corte em Lisboa
Imediatamente após a leitura da sentença - com penas que variam de 5 a 18 anos -, os seis homens foram presos. Presenciaram a decisão do colegiado de juízes 6 dos 32 garotos abusados na instituição pública, que recebe crianças e jovens pobres. O caso, revelado em 2002, estava sendo julgado havia seis anos.

O ex-motorista da Casa Pia Carlos Silvino, de 54 anos, foi sentenciado a 18 anos por 639 acusações relacionadas ao abuso de crianças. Ele cometeu os abusos em centenas de ocasiões e posteriormente ofereceu as crianças a outros homens por dinheiro. Seus co-réus foram sentenciados a cinco e sete anos.

O colégio de três juízes do Tribunal Criminal de Lisboa, presidido por Ana Peres, passaram a maior parte do dia lendo a sentença do julgamento de mais repercussão na mídia na história de Portugal. Depois de decidirem que a maior parte das acusações haviam sido provadas , eles declararam culpados seis das sete pessoas em julgamento.

O ex-apresentador Carlos Cruz e o médico João Ferreira Diniz foram sentenciados a sete anos, enquanto o embaixador aposentado Jorge Ritto pegou uma pena de 6 anos e 8 meses. O advogado Hugo Marçal foi sentenciado a 6 anos e 2 meses, enquanto o ex-fornecedor-adjunto da instituição Manuel Abrantes recebeu uma pena de cinco anos e nove meses.

Mas Gertrudes Nunes, acusado de ter permitido que sua casa em Elvas fosse usada pelos abusadores, foi absolvida.

Os seis condenados negaram as acusações e disseram que suas vidas haviam sido arruinadas. "Esse é um dos erros judiciais mais monstruosos na história de Portugal", disse Cruz, afirmando que o veredicto teve como base "mentiras e manipulação" e era parte de uma "vingança" contra ele.

O caso de pedofilia da Casa Pia comoveu a opinião pública portuguesa, após a publicação das reportagens que denunciavam duas décadas de abusos sexuais aos menores hospedados na instituição de beneficência com a cumplicidade de seus responsáveis.

*BBC, EFE e AFP

    Leia tudo sobre: portugalestuproabuso sexualorfanatocasa pia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG