Exames de DNA absolvem britânico preso há 27 anos por assassinato

Londres, 12 mar (EFE).- O britânico Sean Hodgson, condenado à prisão perpétua por um assassinato cometido em 1979, poderia ser libertado em breve, depois que exames de DNA o absolveram do crime, publicou hoje a imprensa local.

EFE |

Hodgson, que já cumpriu 27 anos da pena, está "emocionado" com a possibilidade de ser libertado, que está sendo analisada atualmente por um tribunal de apelação.

A imprensa britânica informou que testes de DNA realizados recentemente não coincidem com as amostras encontradas no local do crime e que eram guardadas pela Polícia.

O britânico foi condenado pelo assassinato da garçonete Teresa de Simone, de 22 anos, em 1979, achada estrangulada em Southampton, sul da Inglaterra.

Com os novos dados de DNA na mão, a Polícia do condado de Hampshire revisou o caso e o passou à Comissão de Revisão de Casos Criminais (CCRC, em inglês), que, por sua vez, o remeteu ao tribunal de apelação.

A corte deve examinar as novas provas na próxima semana, segundo a imprensa.

Se a inocência do britânico fosse confirmada, ele seria uma das vítimas de um erro judicial que mais anos da sentença cumpriu antes de a injustiça ser descoberta.

Se o tribunal ordenar a libertação de Hodgson, a Polícia do condado deverá reabrir a investigação da morte da garçonete para encontrar o verdadeiro assassino.

Por sua parte, a CCRC pediu à Promotoria britânica a revisão de casos similares de assassinato onde haja a possibilidade de contrastar mostras de DNA. EFE jm/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG