Evo Morales se diz pronto para referendo sobre seu mandato

LA PAZ (Reuters) - O presidente da Bolívia, Evo Morales, disse nesta quinta-feira aceitar um referendo revogatório que pode colocar fim ao mandato do primeiro governante indígena do país em apenas três meses.

Reuters |

Clique na imagem e veja o infográfico sobre a crise na Bolívia

Em uma declaração noturna à TV estatal, ele disse que promulgará a convocação ao referendo assim que receber a lei correspondente, aprovada sem aviso prévio pelo Senado, dominado pela oposição conservadora.

Num gesto surpreendente, o Senado boliviano aprovou na quinta-feira a convocação de um referendo revogatório sobre os mandatos do presidente Evo Morales, do vice-presidente Alvaro García e dos nove governadores regionais, o que deve agravar a crise política no país.

Os referendos simultâneos serão realizados dentro de 90 dias, desde que Morales não vete a lei sancionada em segunda votação e sem aviso prévio pelo Senado, que é controlado pela oposição. O próprio Morales havia proposto a realização dessa votação em dezembro, mas a tramitação do projeto estava parada desde janeiro.

'As confrontações continuam, e isso será um alerta aos prefeitos [governadores], às autoridades, a todos, para que vejam que é necessário buscar um consenso', disse a jornalistas o líder da bancada oposicionista no Senado, Roger Pinto.

O porta-voz presidencial Iván Canelas admitiu horas antes do pronunciamento de Morales que o governo estava surpreso com a aprovação, já que esperava uma notificação oficial prévia.

Segundo a lei aprovada, Morales perderá o seu mandato se os votos contra si superarem tanto em número quanto em percentual a votação que ele obteve nas eleições que venceu em dezembro de 2005.

(Por Carlos Alberto Quiroga)

Leia mais sobre: Bolívia

    Leia tudo sobre: bolíviareferendo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG