O presidente boliviano, Evo Morales, afirmou que houve demagogia por parte de certos líderes na Cúpula União Européia-América Latina em Lima e censura na hora de permitir falar, nas sessões, os chefes de Estado da esquerda mais combativa da região.

"Desta cúpula de chefes de Estado aprendi bastante. Há propostas muito interessantes de muitos poucos presidentes, mas depois... de alguns presidentes é pura demagogia", disse Morales à imprensa no dia de encerramento da Cúpula, dedicada às reuniões entre os blocos latino-americanos e a UE.

"Se queremos acabar com a pobreza, isso só acontecerá com o fim do sistema capitalista", acrescentou Morales.

Em suas declarações, o mandatário boliviano criticou, além disso, a decisão da organização da reunião de cúpula de não incluir nenhum líder latino-americano da esquerda mais combativa nos discursos da cerimônia de encerramento da sessão plenária de sexta-feira.

"Queria escutar algum presidente na intervenção de ontem de encerramento. Mas estava bem organizado, bem planejado, para que nenhum presidente que tem diferenças ideológicas, culturais, programáticas, em temas financeiros, pudesse participar", indicou.

"São as regras destas cúpulas, mas quero expressar minhas profundas discordâncias", continuou Morales, que recordou que atualmente há "cinco" presidentes latino-americanos que compartilham o modelo socialista, uma cifra considerável em comparação a outras épocas, em que apenas o cubano Fidel Castro assumia essa posição.

mar/fb/fp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.