EUA utilizaram em Guantánamo técnicas de tortura da China comunista

As técnicas dos Estados Unidos para interrogar os prisioneiros em Guantánamo foram inspiradas em métodos de tortura da China comunista, informa o jornal New York Times.

AFP |

O jornal, que cita documentos apresentados ao Congresso e opiniões de especialista que permaneceram no anonimato, revela que a formação dos militares em Guantánamo em termos de interrogatórios tece como modelo técnicas chinesas.

Segundo o jornal, os métodos "são uma cópia textual de um estudo realizado em 1957 pela Força Aérea (americana) das técnicas usadas pela China comunista na guerra da Coréia para obter confissões - muitas delas falsas - de prisioneiros americanos".

"Esta cartilha reciclada é a última e mais concreta prova da forma como as técnicas comunistas de interrogatório que os Estados Unidos durante muito tempo descreveram como tortura se transformaram na base para os interrogatórios, tanto pela base militar de Guantánamo (Cuba) como pela CIA", acrescenta.

O jornal menciona a privação do sono, a obrigação de permanecer de pé e a exposição ao frio ou fome, entre as coações utilizadas, segundo os documentos, para reduzir as necessidades do prisioneiro "a nível animal".

"Alguns métodos - segundo o NYT - foram utilizados contra um pequeno número de prisioneiros em Guantánamo antes de 2005, quando o Congresso proibiu o uso de coerção pelos militares. A CIA continua autorizada pelo presidente George W. Bush a usar métodos secretos 'alternativos' nos interrogatórios".

ltl/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG