Uma substância química usada para fabricar mamadeiras e outros objetos de plástico pode estar ligada a uma série de problemas hormonais e a um aumento no risco de câncer, segundo um estudo preliminar divulgado por uma agência de saúde do governo americano. O estudo do National Toxicology Program (NTP), ou Programa Nacional de Toxicologia, afirma que testes com animais realizados em laboratórios revelaram que pode haver uma ligação entre o bisphenol A e tumores pré-cancerosos, puberdade feminina precoce e mudanças comportamentais.

Usando um sistema com cinco níveis de classificação, a pesquisa classificou o resultado como representando "alguma preocupação", no meio da escala, abaixo de "preocupação séria" ou "preocupação" e concluiu que é necessário investigar mais os efeitos da substância.

"O que nós temos é um alerta, um sinal. Nós não podemos descartar a possibilidade de que efeitos semelhantes ou relacionados podem ocorrer em humanos", disse Mike Shelby, diretor do Centro para a Avaliação de Riscos à Reprodução Humana, que faz parte do NTP e que supervisionou o estudo.

"Nós esperamos que esse estudo leve o FDA (Food and Drug Administration) a reconhecer o quanto essa substância é tóxica e a forçar os fabricantes a estabelecer novos padrões de segurança", disse Anila Jacob, da organização não-governamental Environmental Working Group, ao The New York Times.

Mas o American Chemistry Council, que representa os fabricantes de produtos de plástico, disse ao jornal que o estudo "afirma que não há preocupações sérias em relação aos efeitos do bisphenol A".

Mudança
O relatório é um sinal de que pode haver uma mudança na posição do governo americano em relação ao bisphenol A, uma substância tão comum nos Estados Unidos que foi detectada na urina de 93% da população com mais de 6 anos de idade, segundo dados divulgados pelo estudo.

O NTP divulgou o relatório preliminar para receber comentários públicos e irá publicar a versão final do estudo durante o verão americano.

O órgão não tem o poder de regular o uso do bisphenol A, mas as conclusões são usadas por outras agências americanas, como a Food and Drug Administration, e a Environmental Protection Agency, que estebelecem o limite seguro de exposição a substâncias químicas.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.