EUA têm vaga no Conselho de Direitos Humanos da ONU pela 1a vez

NAÇÕES UNIDAS (Reuters) - Os Estados Unidos foram eleitos pela primeira vez para integrar o Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU) na terça-feira, juntando-se a outros 17 países escolhidos. A eleição ocorre após o governo Obama pôr fim à política norte-americana de boicotar o conselho. A embaixadora Susan Rice disse a jornalistas que os EUA ainda acreditam que o organismo seja falho, mas afirmou: Estamos buscando trabalhar a partir de dentro com uma ampla amostra representativa dos Estados membros para fortalecer e reformar o Conselho de Direitos Humanos.

Reuters |

Os EUA foram um dos 18 países eleitos a mandatos de três anos numa Assembleia Geral da ONU, da qual participaram os outros 29 integrantes do conselho. O organismo, com sede em Genebra, dispõe no total de 47 assentos. Alguns países que já enfrentaram críticas relativas aos direitos humanos, como China, Cuba e Arábia Saudita, também foram eleitos.

O sucesso norte-americano foi praticamente garantido por um sistema no qual agrupamentos regionais de países acordam antecipadamente sobre quem apoiarão na eleição.

Apenas três países competiram pelos três assentos disponíveis para o chamado grupo da Europa Ocidental e Outros, depois que a Nova Zelândia desistiu para abrir lugar para os EUA.

Isso significou que os três precisavam obter apenas a maioria simples, ou 97, dos votos na Assembleia. Os EUA tiveram 167 votos, em comparação com 179 para a Noruega e 177 para a Bélgica.

O governo de George W. Bush, que deixou o cargo em janeiro, considerava o Conselho de Direitos Humanos tendencioso contra Israel e nunca buscou se eleger. O conselho foi criado há apenas três anos em substituição ao organismo antecessor, que estava desacreditado.

Apenas dois grupos -- África e Europa Oriental -- tiveram eleições disputadas. No da África, o Quênia não conseguiu se eleger, diferentemente de Camarões, Djibuti, Maurício, Nigéria e Senegal. No da Europa Oriental, o Azerbaijão perdeu para a Rússia e a Hungria.

Outros países eleitos foram: Bangladesh, China, Jordânia, Quirguistão e Arábia Saudita, para o grupo da Ásia; e Cuba, México e Uruguai, para o grupo da América Latina.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG